Trump reduz número de tropas dos EUA no Afeganistão, mas não confirma retirada total
Asia

Trump reduz número de tropas dos EUA no Afeganistão, mas não confirma retirada total

Por Phil Stewart e Idrees Ali

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reduzirá drasticamente o número de forças dos EUA no Afeganistão de 4.500 para 2.500 antes de deixar o cargo, anunciou o Pentágono nesta terça-feira, sem confirmar a retirada completa de militares norte-americanos do país que Trump ameaçara realizar até o Natal.

A decisão de Trump de uma retirada parcial, divulgada pela Reuters na segunda-feira, gerou alertas de críticos que afirmam que isso prejudicará a segurança e afetará as frágeis negociações de paz com o Taliban.

O secretário de Defesa dos EUA, Christopher Miller, que Trump nomeou na semana passada depois de demitir Mark Esper, confirmou a retirada e também delineou uma retirada modesta das forças no Iraque, que reduzirá o número de soldados dos EUA no país de 3.000 para 2.500.

Logo depois do anúncio, o principal republicano no Senado, o líder da maioria, Mitch McConnell, alertou contra quaisquer mudanças importantes na defesa ou política externa dos EUA nos próximos meses –incluindo grandes retiradas de tropas no Afeganistão e no Iraque.

Autoridades norte-americanas e afegãs estão alertando sobre níveis preocupantes de violência por parte dos insurgentes do Taliban e das persistentes ligações do Taliban com a Al Qaeda.

Foram esses laços que desencadearam a intervenção militar dos EUA em 2001, após os ataques da Al Qaeda em 11 de Setembro nos Estados Unidos. Milhares de soldados norte-americanos e aliados morreram em combates no Afeganistão desde então.

Alguns oficiais militares dos EUA vinham pedindo a Trump para manter os níveis atuais de tropas dos EUA em cerca de 4.500 por enquanto.

A retirada ficou aquém da promessa de Trump, feita em 7 de outubro, quando disse no Twitter: “Devemos ter o pequeno número restante de nossos bravos homens e mulheres servindo no Afeganistão em casa até o Natal!.”

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAG1OW-BASEIMAGE

To Top