Cade aprova compra de negócios de margarina e maionese da Bunge pela Seara
Economia

Cade aprova compra de negócios de margarina e maionese da Bunge pela Seara

O tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira, 18, sem restrições, a venda do negócio de maionese e margarina da Bunge para a Seara Alimentos. Na terça, o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) antecipou que a tendência era que o negócio fosse aprovado pelo conselho.

Apesar de a operação gerar uma concentração de 30% a 40% no mercado de margarinas, o Cade entendeu que há “elevada rivalidade” nesse setor e que, com isso, a competição estaria mantida. “As informações são suficientes para afastar preocupações concorrenciais, especialmente em relação às condições de rivalidade no mercado nacional de margarina”, disse o relator, conselheiro Luis Braido.

No início do mês, a operação havia sido aprovada pela Superintendência-Geral do órgão. No fim de outubro, 26, porém, Braido decidiu puxar o caso para o tribunal do Cade para aprofundar a análise.

Pelas regras do conselho, a Superintendência-Geral pode aprovar negócios que considere não serem prejudiciais à concorrência. Se entender que existem riscos ou que é necessária uma maior avaliação, o tribunal do Cade pode avocar o processo, ou seja, reabrir o processo e levá-lo a julgamento. Foi o que aconteceu na operação entre a Bunge e a Seara.

O acordo entre a companhia norte-americana e a JBS, controladora da Seara, foi anunciado em dezembro do ano passado e notificado ao Cade em janeiro. Segundo a JBS, o negócio custou R$ 700 milhões e envolve três fábricas: em São Paulo, Santa Catarina e Pernambuco.

A concretização da operação resultará na ampliação da capacidade produtiva da Seara no negócio de margarinas e permitirá a sua entrada no mercado de maioneses.

Pelo acordo, a Seara vai adquirir diversas marcas, como Delícia, Primor e Gradina.

To Top