Taxas terminam quase estáveis, após passarem maior parte da sessão em baixa
Economia

Taxas terminam quase estáveis, após passarem maior parte da sessão em baixa

Os juros fecharam perto da estabilidade, com viés de alta, após percorrerem a manhã com recuo firme. O mercado reagiu positivamente ao anúncio das condições do leilão do Tesouro, que trouxe oferta global menor de papéis, mas conseguindo bom resultado para os títulos de longo prazo. Passada a operação, as taxas se acomodaram perto dos ajustes anteriores, mas preservando um leve sinal de queda que se apagou nos ajustes finais da sessão regular. Os recuos do dólar e dos juros dos Treasuries e a decisão da Fitch de manter a nota do Brasil em BB- também foram citados como fatores que ajudaram a ancorar a curva, a despeito da falta de avanço das reformas no Congresso.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 fechou a etapa regular e a estendida em 3,29%, de 3,285% ontem no ajuste. A do DI para janeiro de 2023 passou de 4,956% no ajuste para 4,98% na regular e 5,00% na estendida, e a do DI para janeiro de 2025 fechou em 6,80% (regular e estendida), de 6,795% ontem no ajuste. O DI para janeiro de 2027 terminou com taxa de 7,60% (regular e estendida), de 7,594%.

Ontem, no período da tarde, o mercado se movimentou na expectativa de um leilão mais pesado do Tesouro. No entanto, a oferta de LTN foi de 12 milhões, menos da metade dos 31 milhões da semana passada. Mas a encontrou demanda para quase dobrar o lote de NTN-F, que são os prefixados mais longos, de 1,8 milhão para 3 milhões. Ambas as ofertas hoje foram vendidas integralmente. Segundo a Renascença, o DV01 (risco do leilão), que na semana passada era de R$ 5,16 milhões caiu para R$ 3,46 milhões, o que ajudou a tranquilizar o mercado.

Os consecutivos aumentos nos lotes de NTN-F chamam a atenção neste momento em que o fluxo de recursos estrangeiros tem pressionado o dólar para baixo, uma vez que estes são papéis preferidos dos não-residentes. Paulo Nepomuceno, operador de renda fixa da Terra Investimentos, diz que a leitura da venda integral da oferta das NTN-F no leilão desta quinta-feira é positiva, mostrando “interesse de gringos” mesmo com todos os problemas fiscais do País.

Com a segunda onda de covid se espalhando pelo mundo, cresce a expectativa de um período prolongado de juros globais mais baixos, o que pode estar atraindo recursos para a renda fixa brasileira, que tem a curva ainda bastante inclinada e com prêmios atrativos. Hoje o Banco Central da Indonésia surpreendeu ao cortar os juros para 3,75%, na contramão da Turquia, onde a autoridade monetária elevou a taxa. “Mas ali foi por motivos bastante localizados”, disse um gestor. A África do Sul também teve reunião de política monetária e a taxa foi mantida em 3,50%.

Na curva americana, o dia foi de queda no rendimento dos yields, provocada pela busca de segurança dos Treasuries, em meio às preocupações com a covid e o impacto na economia global. “Mas acho que isso não se sustenta na medida em que as vacinas forem avançando”, disse o gestor citado acima.

To Top