Índice recua, mas segue apontando para alta na semana
Business

Índice recua, mas segue apontando para alta na semana

Por Peter Frontini

SÃO PAULO (Reuters) – O Ibovespa tinha leve baixa nesta sexta-feira, com o noticiário doméstico esvaziado, após o fim da temporada de balanços corporativos.

No exterior, ainda prevalecia a cautela relacionada às negociações de novos pacotes de estímulos econômicos, em meio a um aumento no número de casos de coronavírus, enquanto o avanço no desenvolvimento de vacinas dava esperanças ao mercado.

Às 11:37, o Ibovespa caía 0,42%, a 106.217,06 pontos. O volume financeiro era de 5 bilhões de reais. Na véspera, o índice subiu 0,52%, a 106.669,90 pontos. Na semana, o indicador acumula alta de 1,5%.

Uma potencial segunda onda da pandemia de coronavírus seguia preocupando investidores. O número de pacientes hospitalizados com a Covid-19 nos EUA saltou quase 50% nas últimas duas semanas, forçando alguns Estados norte-americanos a estabelecerem novas restrições para conter a propagação do vírus. Alguns países da Europa já reestabeleceran lockdowns nas últimas semanas.

Nesta sexta-feira, a Pfizer anunciou que pediu a agências reguladoras dos Estados Unidos uma autorização de uso de emergência para sua vacina.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que os principais programas de empréstimos do Federal Reserve para conter os impactos da pandemia vão expirar em 31 de dezembro, colocando o governo Trump em desacordo com o banco central e potencialmente adicionando estresse à economia enquanto o presidente eleito Joe Biden organiza sua futura administração.

Enquanto isso, no Brasil, agentes financeiros avaliavam declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, na noite de quinta-feira. Guedes afirmou que se a segunda onda da pandemia de fato ocorrer no país, ela será enfrentada pelo governo.

“Se a doença vier estamos numa outra dimensão, sabemos como agir, mas não é nosso plano”, disse Guedes, voltando a frisar que o “plano A” é prosseguir com a realização de reformas, com respeito ao teto de gastos e sem programas populistas.

O economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, afirmou em nota que o ministro “já não consegue mais contaminar o mercado com seu usual otimismo e soluções fáceis para os difíceis problemas brasileiros”.

“As soluções tanto pregadas pelo ministro não avançam em especial as privatizações, redução dos gastos e o tamanho do Estado”, afirmou.

Apesar da lentidão do avanço da agenda de reformas do governo, a bolsa tem visto uma forte entrada de capital estrangeiro nas últimas semanas. Em novembro, até a última quarta-feira, o saldo de investidores estrangeiros foi de 25,7 bilhões de reais, segundo dados da B3.

DESTAQUES

– PETRORIO ON perdia 6,3%, como pior desempenho do índice. A petrolífera tinha sessão de ajustes, após disparar quase 30% na véspera, em meio à notícia de que vai adquirir fatias de 35,7% no bloco BM-C-30 (campo de Wahoo) e 60% no bloco BM-C-32 (Itaipu), tornando-se assim operadora de ambos.

– AZUL PN recuava 1,8%, enquanto GOL PN tinha desvalorização de 1,6%. Apesar do movimento, ambas as companhias caminhavam para encerrar a semana com fortes altas, impulsionadas pelo avanço no desenvolvimento de vacinas contra Covid-19 e uma recuperação do setor.

– SANTANDER BR UNT caía 1,8%, mas também acumulando desempenho semanal positivo. BRADESCO PN recuava 0,3%, enquanto ITAÚ UNIBANCO PN tinha queda de 0,2%.

– GPA avançava 2,5% após anunciar que obteve autorização dos credores para cisão do Assaí.

– CVC caía 0,9%. A empresa de turismo anunciou na noite de quinta-feira que concluiu reestruturação de 1,5 bilhão de reais em dívidas e que umas das condições foi restringir dividendos até que a alavancagem caia para abaixo de 3,5 vezes e que promova um “evento de liquidez” até setembro de 2021.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAJ0YF-BASEIMAGE

To Top