Código barras boletos estão sendo alterados por Bandidos: Fique atento
Benefícios

Código barras boletos estão sendo alterados por Bandidos: Fique atento

Vencimento de boletos é mantido nos feriados antecipados em São Paulo

Código barras boletos estão sendo alterados por Bandidos: Fique atento. Com a chegada de um novo mês, o comerciante Eduardo Mello, de 49 anos, reuniu as contas que recebe por e-mail e pagou os boletos através do internet banking, como de costume. No entanto, uma das prestadoras de serviço — a empresa de cuidadores de idosos que ampara seus pais, de 96 e 88 anos — reclamou de não ter recebido o crédito. Após checar que o endereço de e-mail estava correto, mas que os códigos de barras enviado e recebido divergiam, Eduardo se deu conta que havia caído em um golpe digital.

— Apesar de o boleto estar com o nome correto da empresa, no comprovante de pagamento o beneficiário era outro. Não conferi esse dado na hora da transação e acabei depositando R$ 5.330 para golpistas — contou a vítima.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), aumentou em 45% o número de golpes durante a pandemia. Fraudes relacionadas a boletos bancários são uma preocupação antiga do setor. No fim de 2018, a entidade lançou a Nova Plataforma de Cobrança, que garantiu o registro de todos os boletos, com a inserção de informações no documento, como CPFs ou CNPJs do emissor e do pagador do boleto. A medida visava a deter prejuízos anuais de R$ 450 milhões em fraudes com boletos físicos. Para os virtuais, no entanto, a plataforma representa apenas mais uma camada de segurança ao possibilitar a conferência dos dados do beneficiário no ato do pagamento, mas não é uma proteção efetiva

Para Emilio Simoni, diretor do laboratório especializado em segurança digital da PSafe, trata-se de um bolware, modalidade criminosa muito comum no Brasil. O golpe funciona assim: a potencial vítima faz um download de um arquivo no computador, sem saber que se trata de um malware, e a instalação fornece o controle para que aconteça uma interferência responsável por inserir o código malicioso, que modifica a linha digitável do código de barras de boletos de pagamento.

— Um erro comum das pessoas é pensar que o e-mail está vulnerável apenas no computador. O uso do celular frequente pode acarretar ainda mais vulnerabilidades na segurança de seus dados pessoais, bancários e credenciais de acesso. Logo, é preciso manter instalada uma solução de segurança para seu dispositivo que ofereça proteção contra phishings também — orienta Simoni.

O comerciante registrou um boletim de ocorrência para tentar rastrear os criminosos e tentou pedir ao seu banco, Bradesco, que a transação fosse estornada, mas não obteve sucesso. A instituição alegou que a adulteração não ocorre no ambiente do banco e que o Bradesco disponibiliza informações do beneficiário e pagador do boleto, que permitem, no momento do pagamento, aferição segura por parte dos seus clientes para evitar fraudes. Também disse que investe e adota sistemas de segurança anti-fraudes e que este tipo de ocorrência está relacionada a ações externas que interceptam o boleto.

Segundo a Polícia Civil, as investigações estão em andamento, e os agentes têm realizado diligências que possam auxiliar na identificação da autoria do crime.

fraude boleto
fraude boleto

Consumidor deve ter cuidado ao efetuar transações

No comprovante de pagamento da transação fraudulenta, o beneficiário consta como PagSeguro. Procurada pela reportagem, a empresa declarou não ter registrado ocorrências semelhantes, destacando, assim como feito pelo banco, que os boletos são registrados, permitindo que o cliente identifique o recebedor.

Solicitado a fazer um novo pagamento à empresa de cuidadores de idosos, Eduardo Mello conseguiu negociar duas novas transferências bancárias, nos meses de maio e junho, no valor de R$ 2.665 cada uma, para não deixar seus pais sem assistência.

— O pagamento é feito normalmente com a aposentadoria dos meus pais. Pensei até em pegar dinheiro emprestado para fazer o novo pagamento — diz ele: — Foi um alívio conseguir dividir a quantia.

Para reduzir a probabilidade de sofrer esse tipo de golpe, o advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Igor Marchetti, recomenda que os consumidores suspeitem quando há presença de erros de português ou diferenças na formatação dos boletos; verifiquem a existência de falhas no leitor de código de barras; evitem usar computadores públicos para esse tipo de transação; e instalem um antivírus no dispositivo.

Mesmo assim, para Marchetti, o prejuízo do golpe deve ser assumido tanto pelo banco, quanto pela prestadora de serviços, já que, segundo o previsto no artigo 20 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), a partir do momento em que oferecem a forma de pagamento, assumem os riscos:

— A recomendação é que o consumidor tire cópia e faça um boletim de ocorrência, mostrando o boleto e o comprovante de pagamento, bem como as mensagens de envio para o documento falso. Depois, entendemos que poderá contatar o banco e o prestador de serviço para ter reparação, pois estes também têm responsabilidade, já que fica evidente o conhecimento do golpista sobre o contrato de prestação de serviços.

To Top