Fuja de problemas ao realizar no INSS empréstimo consignado
Benefícios

Fuja de problemas ao realizar no INSS empréstimo consignado

prova de vida do inss

Fuja de problemas ao realizar no INSS empréstimo consignado. Em outubro, mês em que o governo federal ampliou temporariamente a margem do empréstimo consignado, o INSS registrou 32,9 milhões de contratos ativos. Cerca de 7 milhões de contratos a mais do que o registrado em 2019.

O número de reclamações relacionadas a esse tipo de empréstimo no Procon-SP também disparou: de 2.035, nos dez primeiros meses do ano passado, para 4.123 até outubro deste ano.

Cada pensionista ou aposentado pode contratar até nove empréstimos e um cartão de crédito consignado ao mesmo tempo, desde que respeite o seu limite da margem consignável.

Com o cartão, o beneficiário tem um limite pré-aprovado, pode fazer saques e parte do valor da fatura é descontado diretamente do benefício. O resto da fatura é pago normalmente.

Especialistas recomendam usar o crédito para questões urgentes e para quitar dívidas mais caras, já que o benefício previdenciário será comprometido.

Quem não tem interesse em contratar ou receber ofertas de consignados pode bloquear o telefone pelo “Não me perturbe“, plataforma criada para diminuir o assédio aos consumidores. Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), atualmente, 80 mil pessoas aderem ao serviço por mês, em média.

Cartão do Cidadão saque de dinheiro
Cartão do Cidadão saque de dinheiro

Em todos os casos é preciso ficar atento aos extratos mensais do benefício para conferir se nenhum empréstimo foi feito sem autorização. Como aconteceu com Pedro Simões da Paz, 62 anos, do Guarujá (86 km de SP), que teve quase R$ 12 mil depositados na conta sem pedir e, agora, tenta devolver para não ter descontos no seu benefício.

“Não pedi e nem quero. Nem conheço esse banco, não assinei nada, quero que isso se resolva porque isso é fraude”, afirma Paz.
Em casos como o relatado pelo leitor, o primeiro passo é procurar o banco e o INSS, se não resolver, recorra aos órgãos de defesa do consumidor.

To Top