Maia diz que Bolsonaro supera delírios e devaneios de Trump e sugere que partidos acionem presidente
Brasil

Maia diz que Bolsonaro supera delírios e devaneios de Trump e sugere que partidos acionem presidente

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira que o presidente Jair Bolsonaro supera os “delírios e devaneios” do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e sugeriu que os partidos acionem à Justiça para que o chefe do Executivo explique as alegações –sem provas– de que houve fraude na eleição que venceu em 2018.

“A frase do presidente Bolsonaro é um ataque direto e gravíssimo ao TSE e seus juízes. Os partidos políticos deveriam acionar a Justiça para que o presidente se explique. Bolsonaro consegue superar os delírios e os devaneios de Trump”, disse Maia em sua conta no Twitter.

Maia fez seu comentário em cima de uma reportagem que citava as declarações por Bolsonaro feitas a apoiadores de que teria havido fraude nas eleições para presidente dos Estados Unidos — autoridades daquele país descartaram tais afirmações.

Também sem provas, o presidente repetiu ter havido fraude em sua eleição em 2018 –quando venceu por meio da votação por urnas eletrônicas– e chegou a dizer que a sucessão em 2022, caso não seja adotado o voto impresso, terá uma situação pior do que os EUA passaram na véspera com a invasão do Congresso daquele país por apoiadores do presidente Donald Trump durante a sessão que iria certificar a vitória do democrata Joe Biden à Presidência.

Além de crítico do sistema de urnas eletrônicas, Bolsonaro também é entusiasta de Trump, derrotado em sua tentativa de reeleição por Biden.

O voto em urna eletrônica no Brasil foi adotado em 1996 e, desde então, nunca foi registrada uma denúncia fundamentada de fraude contra o sistema e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) garante que o resultado das eleições podem ser auditados.

No ano passado, Bolsonaro afirmou que a eleição de 2018, na qual foi eleito, foi fraudada e que ele deveria ter vencido no primeiro turno. Na ocasião, prometeu que apresentaria provas das alegações, o que nunca fez.

(Reportagem de Ricardo Brito, em Brasília, e Eduardo Simões, em São Paulo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH061E1-BASEIMAGE

To Top