Pazuello diz que toda produção da CoronaVac pelo Butantan irá para vacinação nacional
Brasil

Pazuello diz que toda produção da CoronaVac pelo Butantan irá para vacinação nacional

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira que toda a produção da CoronaVac pelo Instituto Butantan será incorporada ao plano nacional de imunização e distribuída de forma igualitária aos Estados, na melhor hipótese, a partir de 20 de janeiro.

O anúncio de Pazuello, em pronunciamento no Palácio do Planalto, contraria os planos do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de iniciar a partir do próximo 25 dia a vacinação da CoronaVac de forma emergencial no Estado, a despeito do plano nacional coordenado pelo ministério.

“Toda a produção do Butantan –e quero ressaltar toda– será incorporada ao plano nacional de imunização”, disse Pazuello.

“Serão distribuídas de forma equitativa e proporcional a todos os Estados da mesma forma que a vacina da AstraZeneca”, reforçou ele, citando o imunizante desenvolvido pelo laboratório britânico em conjunto com a Universidade de Oxford e que tem como parceiro no Brasil a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligada ao ministério.

Pazuello disse que foi assinado nesta quinta um contrato com o Butantan, menos de 24 horas após a edição de uma medida provisória pelo presidente Jair Bolsonaro, que poderá permitir a compra de até 100 milhões de doses da CoronaVac.

Essa MP permitiu que se feche acordos com laboratórios mesmo sem a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Butantan e o governador Doria confirmaram a assinatura do acordo. Segundo Doria, será possível iniciar a vacinação de grupos de risco em São Paulo e ao mesmo tempo fornecer imunizantes aos demais Estados dentro do plano nacional.

Atualmente, já existem 10,8 milhões de doses da CoronaVac no Brasil e até março haverá 46 milhões, disse o governador.

Aa presença da CoronaVac nos planos do governo federal para o Covid-19 demonstra uma nova mudança de atuação. Em outubro, o presidente Jair Bolsonaro –adversário declarado do governador paulista– anunciou um veto a um acordo costurado por Pazuello com o governo paulista para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa.

Sem evidências, Bolsonaro já atacou publicamente a CoronaVac, chegando até mesmo a duvidar da sua eficácia sem ainda ter dados divulgados dos resultados dos testes. Nesta quinta, o Butantan informou que a eficácia dessa vacina é de 78% para casos leves, chegando a 100% em casos graves de Covid-19.

Presente na coletiva, o secretário-executivo do ministério, Élcio Franco, detalhou que o contrato assinado com o Butantan prevê a aquisição de 46 milhões de doses da CoronaVac com insumos importados da China. Há ainda, afirmou, uma opção contratual para a compra de outras 54 milhões de doses que seriam produzidas localmente.

Contudo, Franco ressalvou que a segunda parte do acordo foi feita dessa forma em razão de restrições orçamentárias.

Segundo Pazuello, o custo para se vacinar cada pessoa com duas doses da vacina CoronaVac é de 21 dólares.

O secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo Medeiros, afirmou ainda que são esperadas 6 milhões de doses da CoronaVac para serem usadas a partir de 20 de janeiro juntamente com outras 2 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca. Essas duas vacinas serão ministradas na etapa de uso emergencial.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH061FF-BASEIMAGE

To Top