Eficácia da CoronaVac será recalculada após autorização emergencial, diz diretor do Butantan
Asia

Eficácia da CoronaVac será recalculada após autorização emergencial, diz diretor do Butantan

vacina coronavírus

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) – A eficácia da CoronaVac será novamente calculada quando o imunizante tiver autorização para uso emergencial dada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), disse à Reuters o diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palácios.

Pouco antes, Palácios anunciou em entrevista coletiva na sede do Butantan que a vacina contra a Covid-19 do laboratório chinês Sinovac tem eficácia geral de 50,38%, patamar ligeiramente superior aos 50% estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde e a Anvisa para uma vacina eficaz contra a Covid-19.

Ele também reiterou as informações dadas pelo Butantan em entrevista coletiva na semana passada de que a vacina se mostrou 78% eficaz na prevenção de casos leves da doença e 100% em evitar casos graves e moderados no estudo clínico de Fase 3.

“O estudo continua”, disse Palácios à Reuters por telefone horas depois da entrevista coletiva.

“Quando sair a autorização emergencial, a gente também tem a autorização para ofertar a vacina para o grupo placebo e quando isso acontecer, o acompanhamento do grupo se encerra. Então a gente vai ter uma nova consolidação de dados, vai ser recalculada a eficácia neste momento”, explicou.

Palácios disse que o relacionamento entre as áreas técnicas do Butantan e da Anvisa durante a análise feita pela agência do pedido para uso emergencial tem sido bom até o momento.

“O processo está muito fluido, muito proveitoso”, afirmou o diretor do Butantan.

“Acho também que há uma compreensão por parte da agência de que isso é uma autorização para uso emergencial. As informações não estão tão completas como se esperaria para um registro e nesse processo de condução de estudo existem diferentes níveis de amadurecimento dos dados”, acrescentou.

A Anvisa anunciou nesta terça-feira que está prevista para o próximo domingo a reunião de sua diretoria colegiada que decidirá tanto sobre o pedido de uso emergencial da CoronaVac, feito pelo Butantan, como da vacina de AstraZeneca/Oxford, elaborado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Indagado sobre os motivos que levaram o Butantan a optar por divulgar em entrevista coletiva na quinta-feira uma eficácia de 78%, que se refere apenas aos casos leves, deixando de fora os “muito leves”, que não precisaram de atendimento médico, Palácios disse ser da área técnica do Butantan e que esse departamento não participou da tomada de decisão sobre o momento do anúncio.

“A gente tinha um compromisso que foi mantido de que íamos explicar como área técnica perante o público. Esse era o compromisso que a gente tinha”, afirmou.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0B1KW-BASEIMAGE

To Top