Países defendem vacina da AstraZeneca após suspensão na África do Sul
Africa

Países defendem vacina da AstraZeneca após suspensão na África do Sul

Países defendem vacina da AstraZeneca após suspensão na África do Sul

Por Guy Faulconbridge e Kate Holton

LONDRES (Reuters) – Governos de países ocidentais se apressaram em defender a vacina contra Covid-19 da AstraZeneca depois que a África do Sul suspendeu sua aplicação porque pesquisas mostraram que o imunizante oferece uma proteção mínima contra casos leves de uma variante do coronavírus que predomina no país.

A chegada de vacinas criou a esperança de que os cientistas consigam domar uma pandemia que já matou 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo, mas se as vacinas forem menos eficazes contra novas variantes, podem precisar ser ajustadas e as pessoas podem precisar de vacinas de reforço.

A África do Sul anunciou a interrupção do uso da vacina depois que pesquisadores da Universidade de Witwatersrand e da Universidade de Oxford descobriram que o imunizante só proporcionou uma proteção mínima contra infecções amenas ou moderadas da variante B.1.351, que é forma dominante do vírus naquele país.

A pesquisa ainda não foi analisada pela comunidade científica e não fornece dados sobre pessoas mais velhas, as que correm mais risco de morrer ou precisar de hospitalização. Tampouco surgiram dados para mostrar se a vacina evitaria uma doença grave, e pesquisadores disseram que isto ainda é possível.

“Este estudo confirma que o coronavírus pandêmico encontrará meios para continuar a se disseminar em populações vacinadas, como esperado”, disse Andrew Pollard, investigador-chefe do teste de vacina de Oxford.

“Mas, vistas com os resultados promissores de outros estudos da África do Sul com um vetor viral semelhante, as vacinas podem continuar a aliviar a carga nos sistemas de saúde evitando doenças graves”.

O ministro da Saúde francês, Olivier Véran, externou seu apoio à vacina da AstraZeneca, argumentando que ela fornece proteção suficiente contra “quase todas as variantes” do vírus.

Já o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse que os indícios atuais indicam que todas as três vacinas aprovadas na Europa, entre elas a da AstraZeneca, fornecem proteção eficaz contra infecções graves.

Reino Unido e Austrália pediram calma, citando indícios de que as vacinas evitam doenças graves e mortes, e a AstraZeneca disse acreditar que sua vacina pode proteger contra doenças graves.

Uma análise de infecções da variante sul-africana mostrou que, mais de 14 dias após a inoculação com a vacina da AstraZeneca, só há um risco 22% menor de desenvolvimento de Covid-19 suave para moderada na comparação com a administração de um placebo.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1716D-BASEIMAGE

To Top