Açúcar bruto renova máxima de quase 4 anos na ICE, avança 7,5% na semana
Agro

Açúcar bruto renova máxima de quase 4 anos na ICE, avança 7,5% na semana

Açúcar bruto renova máxima de quase 4 anos na ICE, avança 7,5% na semana

Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE atingiram nesta sexta-feira o maior nível em quase quatro anos, acumulando um ganho de 7,5% na semana, impulsionado pelo aperto das ofertas no curto prazo.

O café arábica fechou em leve queda, mas avançou em três das quatro sessões desta semana, o que o levou a uma alta de 5,2% no período.

AÇÚCAR

* O contrato março do açúcar bruto fechou em alta de 0,28 centavo de dólar, ou 1,8%, a 17,79 centavos de dólar por libra-peso, após atingir máxima de 17,96 centavos, mais alto patamar para o primeiro contrato desde março de 2017.

* Os futuros do açúcar registraram ganhos de 7,5% nesta semana.

* Operadores disseram que rumores de que a colheita no Brasil pode começar um pouco mais tarde do que o normal aumentaram preocupações com o aperto das ofertas. Também têm sido vistos atrasos nas exportações indianas, guiados em parte por uma escassez de contêineres, e disponibilidade reduzida na Tailândia, devido à safra ruim deste ano.

* A alta nos preços do petróleo neste mês também tem sido favorável ao açúcar, embora as cotações da energia tenham recuado na reta final desta semana.

* O açúcar branco para maio avançou 8,20 dólares, para 481,40 dólares por tonelada. O vencimento chegou a atingir uma máxima contratual de 484,80 dólares durante a sessão.

CAFÉ

* O contrato maio do café arábica fechou em queda de 0,15 centavo de dólar, ou 0,1%, a 1,2915 dólar por libra-peso, pouco abaixo da máxima de um mês (1,3035 dólar) registrada na sessão anterior.

* O café arábica acumulou alta de 5% na semana.

* Operadores disseram que o mercado recebeu suporte das expectativas crescentes de uma recuperação econômica ainda neste ano, o que poderia desencadear uma retomada no consumo de café.

* O café robusta para maio recuou 11 dólares, ou 0,8%, para 1.369 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1I1F4-BASEIMAGE

To Top