Pode ser paga Aposentadoria especial no INSS ao Trabalhador autônomo?
Benefícios

Pode ser paga Aposentadoria especial no INSS ao Trabalhador autônomo?

aposentadoria por invalidez inss

Pode ser paga Aposentadoria especial no INSS ao Trabalhador autônomo? As atividades insalubres, perigosas e penosas podem gerar benefícios maiores ou com menos tempo de serviço, independentemente de se tratar de empregado ou patrão.

Segundo o especialista em previdência Hilário Bocchi Junior, para ter direito à chamada aposentadoria especial não importa se o trabalho é executado por um empregado ou por um trabalhador autônomo, sócio de empresa ou por um patrão que contrata outros trabalhadores.

“O que importa é se as atividades profissionais desenvolvidas colocam em risco a saúde ou a integridade física do segurado.”

Mão na massa

Quando o segurado é um empregador, a sensação que se tem é a de que se trata de uma pessoa que só manda os empregados executarem as tarefas mais pesadas, mas tem muita gente que põe a “mão na massa”.

Mecânicos, eletricistas, pedreiros, médicos, dentistas, dentre outros, são exemplos de profissionais que, no exercício de suas atividades profissionais, colocam em risco a saúde ou a integridade física.

De acordo com Bocchi Junior, o direito à aposentadoria especial nasce do exercício dessas atividades.

“Não basta apenas ter uma determinada profissão para que ela seja considerada especial. É preciso comprovar que, de fato, há prestação do serviço em condições especiais”, diz.

Comprovação de atividade

A prova é técnica e deve ser feita com base em informações prestadas por um médico ou um engenheiro de segurança do trabalho.

O empregado prova suas atividades especiais com base no Perfil Profissiográfico Previdenciário, o chamado PPP.

Já para quem trabalha por conta própria, o documento exigido é o Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT).

Tempo reduzido e benefício maior

A aposentadoria especial do trabalhador autônomo, dependendo do grau de risco da atividade, acontece com 15, 20 ou 25 anos de atividades tidas como insalubres, perigosas e penosas.

O segurado que comprovar o tempo mínimo de serviço especial até o dia 13/11/2019, data da Reforma da Previdência, continua podendo se aposentar sem idade mínima.

A partir da edição da Emenda Constitucional nº 103/2019, existem outras duas regras: com idade mínima e a de 86 pontos, tanto para o homem como para mulher.

O valor do benefício também é maior.

To Top