Reajuste no Bolsa Família pode acontecer no começo do ano?
Benefícios

Reajuste no Bolsa Família pode acontecer no começo do ano?

Cartão do Bolsa Família

Reajuste no Bolsa Família pode acontecer no começo do ano? O governo deve reajustar o valor médio do Bolsa Família para R$ 200 e incluir no programa mais 300 mil famílias, segundo técnicos do Ministério da Cidadania. Atualmente, o benefício médio, concedido a 14,2 milhões de famílias, é de R$ 192.

A medida não é suficiente para zerar a fila do Bolsa Família, hoje com quase 1 milhão de famílias. A inclusão de 300 mil cadastros, portanto, deixaria cerca de 700 mil domicílios à espera do auxílio.

O reajuste atende ao pedido do presidente Jair Bolsonaro, que tem defendido o aumento do valor do benefício, já que o Renda Brasil não saiu do papel. O programa social seria uma espécie de ampliação do Bolsa Família, mas exigiria cortes no Orçamento.

O Ministério da Cidadania usará o aumento no Orçamento destinado ao programa para 2021, que será de R$ 34,8 bilhões — alta de 18% em relação à verba prevista para este ano. O adicional foi alocado pela equipe econômica justamente para o caso de o novo programa não ser viabilizado, o que acabou ocorrendo.

Segundo integrantes da equipe econômica, cabe à Cidadania definir como vai usar os recursos extras: reduzir a fila de espera pelo Bolsa Família ou reajustar o valor dos benefícios individuais, a partir de R$ 41 pago por número de filhos menores. O valor médio do benefício depende da configuração das famílias.

O ideal, na avaliação dos técnicos da equipe econômica, é usar os recursos para zerar a fila. Mas a o pedido de Bolsonaro por um valor maior deve ser atendido, o que reduz a capacidade para reduzir o número de beneficiários à espera do cadastro.

Reformulação nas regras do programa

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, propôs ao presidente uma reformulação nas regras do programa, com a inclusão de porta de saída. Uma delas é assegurar aos beneficiários que conseguirem emprego formal o auxílio automático em caso de demissão, sem precisar ir para o fim da fila, como acontece atualmente.

Também faz parte das mudanças a criação de incentivos, como pagamento de prêmios em dinheiro para crianças e adolescentes com bom desempenho na escola e nos esportes.

Outra novidade é a concessão de voucher creche no valor de R$ 200 para mães que conseguirem colocação no mercado de trabalho.

A expectativa do ministro é que as novas regras sejam anunciadas na próxima semana. Elas mudariam basicamente a sistemática de funcionamento do programa, sem a sua substituição por novo Renda Brasil, com a inclusão de parcela da população vulnerável atendida com o auxílio emergencial.

Desde abril, os beneficiários do Bolsa Família migraram para o auxílio emergencial, que é mais vantajoso. Ele começou com parcelas mensais de R$ 600, que foram reduzidas para R$ 300 na prorrogação até o fim deste ano.

O Bolsa Família atende às famílias que vivem em situação de pobreza e de extrema pobreza. Foi utilizado um limite de renda para definir esses dois patamares. Assim, podem fazer parte do programa: todas as famílias com renda por pessoa de até R$ 89 mensais; e famílias com renda por pessoa entre R$ 89,01 e R$ 178,00 mensais, desde que tenham crianças ou adolescentes até 17 anos. Fonte Extra

To Top