Risco político com Petrobras aumenta incerteza para setor de etanol, diz Fitch
Agro

Risco político com Petrobras aumenta incerteza para setor de etanol, diz Fitch

Risco político com Petrobras aumenta incerteza para setor de etanol, diz Fitch

O risco político relacionado à mudança solicitada pelo governo federal no comando da Petrobras aumenta as incertezas sobre a recuperação do setor de etanol do Brasil, que possui ligação direta com a política de preços da estatal, disse a agência de classificação de riscos Fitch nesta terça-feira.

Segundo a Fitch, a influência do governo do presidente Jair Bolsonaro na estratégia de negócios da Petrobras pode ser um fator negativo para o fluxo de caixa das companhias de açúcar e etanol do país, embora seja um movimento neutro para seus ratings.

Bolsonaro anunciou na sexta-feira a indicação do general Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal, hoje ocupada por Roberto Castello Branco, após atritos com o atual CEO em temas relacionados a preços de combustíveis e caminhoneiros.

“A Fitch entende que qualquer potencial mudança na política de preços da Petrobras que desvie da paridade de importação, como já ocorreu anteriormente, provavelmente colocaria em risco a esperada recuperação do setor de etanol”, disse a agência em comunicado.

O etanol concorre com a gasolina nas bombas dos postos de combustíveis brasileiros. A Fitch destacou que, quando os preços do combustível fóssil caem, a competitividade do biocombustível como substituto da gasolina também diminui.

A agência acredita que produtores de etanol de milho, como a FS Agrisolutions, seriam os mais afetados por uma alteração na política de preços da Petrobras. Companhias de cana mais expostas ao açúcar –como Jalles Machado, Quatá e Usina Santo Angelo– também poderiam ser atingidas, mas seus ratings já embutem essa exposição, disse a Fitch.

Raízen –joint venture de Shell e Cosan– e Biosev, cujos ratings já estão em observação devido à compra da Biosev pela Cosan, teriam a geração de fluxo de caixa pressionadas por uma possível mudança.

“A manutenção da atual política de paridade de importação da Petrobras é importante para a recuperação do setor doméstico de etanol em 2021”, afirmou a Fitch, destacando que o segmento foi afetado pela queda de demanda em meio à pandemia de coronavírus.

A paridade de importação, que hoje é levada em conta para a precificação da gasolina e diesel nas refinarias da Petrobras, possui influência de fatores como o valor do petróleo no mercado internacional e a cotação do dólar.

(Por Gabriel Araujo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1M1E6-BASEIMAGE

To Top