Economia do Brasil tem em 2020 maior contração desde 1996 sob impacto do coronavírus
Business

Economia do Brasil tem em 2020 maior contração desde 1996 sob impacto do coronavírus

Economia do Brasil tem em 2020 maior contração desde 1996 sob impacto do coronavírus

A economia brasileira registrou em 2020 a maior contração em 24 anos sob o impacto das medidas de contenção ao coronavírus, e embora tenha terminado o ano com pontos positivos enfrenta agora um pano de fundo de incertezas.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil despencou 4,1% em 2020, depois de crescimento de 1,4% em 2019, na maior queda desde o início da série histórica do IBGE iniciada em 1996.

O resultado informado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira interrompe três anos de crescimento, quando o PIB acumulou alta de 4,6%.

Mas foi melhor que a projeção oficial do Ministério da Economia, de uma queda de 4,5% em 2020. Entretanto, na véspera o ministro da Economia, Paulo Guedes, havia falado em uma contração menor do que 4%.

Mesmo sob o impacto da pandemia, a economia ainda encolheu menos do que na era Collor. De acordo com o IBGE, antes de 1996 a metodologia para cálculo do PIB era outra, mas dados do Banco Central apontam que em 1990, primeiro ano da Presidência de Fernando Collor de Mello, o PIB contraiu 4,35%.

“No ano de 2020 a economia foi completamente afetada pela pandemia e por suas consequências”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

“O patamar do PIB no quarto trimestre é equivalente ao fim de 2018 e início de 2019. Estamos 1,2% abaixo do ritmo da economia na pré-pandemia”, completou Palis.

Embora o ritmo de recuperação da economia diante da pandemia tenha mostrado perda de força no final do ano passado, ainda foi melhor do que o esperado. No quarto trimestre, o PIB apresentou expansão de 3,2% sobre os três meses anteriores, contra expectativa em pesquisa da Reuters de crescimento de 2,8%, depois de uma expansão recorde de 7,7% no terceiro trimestre.

“O resultado menor do quarto trimestre ainda é uma continuidade da recuperação da economia, até porque o terceiro trimestre subiu muito por conta de uma base muito deprimida. Não voltamos ao padrão pré-pandemia, mas estamos crescendo de novo”, completou Palis

No primeiro trimestre a economia apresentou retração de 2,1%, despencando 9,2% entre abril e junho, quando as medidas de contenção contra o coronavírus paralisaram a atividade no país.

Depois de atingir o fundo do poço em abril com a quarentena, o ritmo de recuperação passou a ganhar força no final do segundo trimestre. Entretanto, novas medidas em todo o país que voltaram a fechar empresas e o número constantemente alto de casos e mortes pela Covid-19 voltaram a pesar sobre a atividade.

A lenta recuperação da pandemia fica evidente no recuo de 1,1% do PIB no quarto trimestre na comparação com o mesmo período de 2019, contra expectativa de uma queda de 1,6% nessa base de comparação.

SERVIÇOS

Em 2020, somente a Agropecuária apresentou sinal positivo, com crescimento de 2,0%, puxada pela soja (7,1%) e café (24,4%), que tiveram produções recordes na série histórica.

Ainda do lado da produção, o setor de Serviços, que tem o maior peso na economia e foi o mais afetado devido à sua dependência do contato social, teve recuo de 4,5%.

Serviços ainda é o setor que mostra mais dificuldades para retornar ao nível pré-pandemia. O menor resultado no setor veio de outras atividades de serviços (-12,1%), que são os restaurantes, academias, hotéis.

Já a Indústria apresentou queda de 3,5% no ano passado, sendo que somente a construção despencou 7,0%. Somados, serviços e indústria representam 95% da economia nacional.

Do lado das despesas, os gastos das famílias sofreram as maiores perdas no ano, de 5,5%, resultado mais baixo da série histórica, diante da piora no mercado de trabalho e o distanciamento social.

As despesas do Governo caíram 4,7%, também um recorde com fechamento de escolas, universidades, museus e parques, enquanto a Formação Bruta de Capital Fixo, medida de investimento, teve queda de 0,8%

Em relação ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços tiveram queda de 1,8%, enquanto as Importações encolheram 10,0%.

Já o quarto trimestre teve como destaques as expansões de 2,7% de Serviços e 1,9% da Indústria na comparação com os três meses anteriores. Por outro lado a Agropecuária encolheu 0,5%.

Do lado das despesas, a Formação Bruta de Capital Fixo disparou 20,0% no período, enquanto as Despesas das Famílias cresceram 3,4% e as do governo aumentaram 1,1%.

INCERTEZAS

Depois de toda a turbulência enfrentada em 2020, este ano começa com incertezas que vão do cenário fiscal à lentidão da vacinação contra o coronavírus.

A retomada econômica foi impulsionada em grande parte pelo pagamento de benefício a informais vulneráveis, e o governo ainda não tomou uma decisão sobre a renovação do auxílio, embora haja pressão no Congresso para isso.

A renovação do auxílio acende a luz vermelha para as já complicadas contas públicas no país, o que se soma à deterioração do quadro inflacionário e ao desemprego ainda elevado. A expectativa pelas esperadas reformas completam o quadro.

O Banco Central já eliminou de sua comunicação o “forward guidance”, mecanismo pelo qual mantinha o compromisso de não elevar os juros desde que algumas condições estivessem satisfeitas. Com a Selic a 2% e diante das incertezas, o BC se reúne em meados de março avaliando novas informações sobre o cenário econômico e a pandemia.

Dados recentes levantam sinais de alerta para o início de 2021, principalmente em relação à confiança. Para este ano, a pesquisa Focus do BC realizada com uma centena de economista aponta expectativa de expansão de 3,29%.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH220U8-BASEIMAGE

To Top