Gabigol é detido com outras 20 pessoas em cassino ilegal em SP
Business

Gabigol é detido com outras 20 pessoas em cassino ilegal em SP

Gabigol é detido com outras 20 pessoas em cassino ilegal em SP

O atacante do Flamengo Gabigol foi detido na manhã deste domingo depois que a polícia fez uma operação para fechar um cassino clandestino na cidade de São Paulo frequentado por outras 200 pessoas.

O jogador escondeu-se debaixo de uma mesa para tentar evitar a captura, mas foi encontrado e detino. Ele foi liberado posteriormente.

“Recebemos uma denúncia sobre uma festa”, disse Ricardo Nunes, o vice-prefeito de São Paulo, a testemunhas da Reuters. “Quando chegamos aqui descobrimos que além de um número enorme de pessoas, mais de 200 pessoas em uma sala sem ventilação, havia um cassino, o que é ilegal. Havia também algumas celebridades, por exemplo, Gabigol.” O jogador, de 24 anos, foi uma das pelo menos 20 pessoas detidas na operação.

600 PESSOAS

Na véspera, a polícia interrompeu uma festa ilegal com quase 600 pessoas em uma boate sem janelas na cidade de São Paulo. Com machados e fuzis, os policiais arrombaram a porta da boate no bairro de Capão Redondo. Centenas de jovens que estavam no local se encolheram na pista de dança enquanto a polícia silenciava a música e prendia os organizadores.

“Nunca imaginei centenas e centenas de pessoas em um lugar sem janela, com todas as portas fechadas”, disse Eduardo Brotero, o policial que comandava a operação.

Jefferson dos Santos, um dos frequentadores do lugar, criticou a ação: “Pagamos impostos e conhecemos os riscos, podemos adoecer ou infectar nossa família. Mas precisamos fazer algo na vida.”

O Procon-SP disse que multou cerca de 100 estabelecimentos por violar as restrições mais recentes. Carlos Cesar Marera, diretor de fiscalização do Procon-SP, disse que as festas clandestinas da cidade são organizadas pela internet.

“Esses jovens, geralmente de 18 a 23 anos, se reúnem nessas festas sem distanciamento social em um momento em que milhares de pessoas estão morrendo.”

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2D0BC-BASEIMAGE

To Top