Gilmar Mendes dá primeiro voto contra liberação de cerimônias religiosas
Brasil

Gilmar Mendes dá primeiro voto contra liberação de cerimônias religiosas

Gilmar Mendes dá primeiro voto contra liberação de cerimônias religiosas

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu nesta quarta-feira o primeiro voto contrário à liberação de cerimônias religiosas presenciais em igrejas e outros locais, em polêmico julgamento sobre o assunto que será retomado na quinta-feira.

Em seu voto, Mendes fez uma análise crítica do pior momento da pandemia de coronavírus no país.

O ministro disse que o Estado de São Paulo vive uma escalada no número de mortes e um colapso no sistema de saúde. Ele chegou a chamar de “surreal” a avaliação de que a interdição temporária de cerimônias religiosas teria uma motivação anticristã.

Segundo Mendes, a partir de informações repassadas por São Paulo, há um verdadeiro momento de calamidade pública. Ele também citou a situação brasileira.

“O presente julgamento coincide com a marca histórica de 337 mil mortes ocasionadas pela pandemia global do novo coronavírus”, disse.

“O Brasil, que já foi exemplo em importantes atividades de saúde pública, atualmente é o líder mundial em mortes diárias por Covid-19”, emendou ele, no início do voto.

O ministro do STF disse que os cultos têm um grau maior de risco de contaminação do que outras atividades, como a abertura de comércios, por exemplo.

O caso foi incluído na pauta do plenário do STF por determinação do presidente da corte, Luiz Fux, após decisões conflitantes tomadas nos últimos dias por ministros. Após o voto de Mendes, Fux suspendeu o julgamento que será retomado na tarde de quinta-feira.

No sábado, véspera do domingo de Páscoa, ao atender pedido da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), o ministro do Supremo Nunes Marques havia concedido liminar para liberar atividades religiosas presenciais como prevenção à Covid-19.

Naquela decisão, Marques determinou que Estados, municípios e Distrito Federal se abstivessem de editar decretos que proibissem essas atividades, estipulando protocolos para a realização das cerimônias.

Na segunda-feira, em outras duas ações, Mendes decidiu pelo fechamento de igrejas em São Paulo e teceu críticas sobre a liberação de cerimônias religiosas no momento.

Na sessão desta quarta, que foi marcada por sustentações orais feitas por autoridades e convidados a se manifestar no processo, o advogado-geral da União, André Mendonça, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, defenderam a liberação das cerimônias religiosas.

Os dois –que são candidatos nos bastidores à vaga de ministro do STF decorrente da aposentadoria do decano Marco Aurélio Mello em julho– estão em sintonia com o que têm defendido nos últimos dias o presidente Jair Bolsonaro.

Ao final da sessão, Fux disse que os demais processos que estavam previstos para esta quarta, incluindo uma ação que questionava o prazo de vigência de patentes, serão realocados “em tempo breve”.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH361QY-BASEIMAGE

To Top