Imposto de Renda com abono salarial do PIS-PASEP: Saiba como informar na sua declaração
Benefícios

Imposto de Renda com abono salarial do PIS-PASEP: Saiba como informar na sua declaração

abono pis pasep

Imposto de Renda com abono salarial do PIS-PASEP: Saiba como informar na sua declaração O benefício é um rendimento isento, mas quem está obrigado a fazer a declaração deve informar o recebimento. O trabalhador que recebeu o abono salarial do PIS ou sacou as cotas do PIS em 2020 precisa verificar se está obrigado a fazer a declaração do Imposto de Renda 2021. Se for obrigado ou se constar como dependente na declaração de alguém e teve direito a esses benefícios sociais, então precisa declarar o dinheiro recebido sim.

O valor do abono do PIS em 2020 variou de 1/12 do salário mínimo (R$ 88) a um salário mínimo inteiro (R$ 1.045).

A principal condição que obriga a fazer a declaração é ter recebido rendimentos tributáveis (como salário, aposentadoria, pensão, por exemplo), acima de R$ 28.559,70 até 31.12.2020, mas quem recebeu rendimentos isentos acima de R$ 40 mil ou tem bens com valor superior a R$ 300 mil, por exemplo, também está obrigado a entregar a declaração.

Estes são rendimentos isentos e devem ser informado na ficha “Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis”.

REPRODUÇÃO/IRPF 2021

2) Já nesta ficha, clique em “Novo” e depois escolha o código 26 (Outros).

O tipo de beneficiário pode ser o próprio titular da declaração, caso você tenha sacado o benefício, ou “Dependente”, se foi está incluindo dependentes como pai, mãe, filhos ou cônjuge e eles precisam incluir esse dado na declaração.

A seguir, informe o CNPJ e o nome da fonte pagadora, que, no caso, é o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador, cujo CNPJ é 07.526.983/0001-43.

Preencha também o campo “Descrição” informando “Abono salarial” ou “Saque das cotas do PIS”

Quem tem direito ao abono salarial?

Tem direito o trabalhador que:

• Estiver cadastrado no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos;• Ter trabalhado com carteira assinada para uma empresa por no mínimo 30 dias, consecutivos ou não, em 2019;

• Tiver recebido remuneração mensal média de até dois salários mínimos;

• O empregador precisa ter informado os dados do trabalhador na Relação Anual  Informações Sociais (RAIS) no prazo certo.

Fonte: R7

To Top