Auxílio Doença com as seguintes novas regras no INSS
Benefícios

Auxílio Doença com as seguintes novas regras no INSS

auxilio doença INSS

Auxílio Doença com as seguintes novas regras no INSS O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) divulgou as regras para os segurados pediram o auxílio-doença sem a necessidade de passarem por perícia médica. Essa possibilidade foi aberta em caráter excepcional, até o dia 31 de dezembro de 2020, por conta da pandemia e do quadro reduzido de peritos em atendimento presencial na agências previdenciárias.

As regras constam da Portaria Conjunta 32, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia e do INSS, publicada no Diário Oficial. O texto detalha, por exemplo, como deve ser a documentação enviada pelo portal ou pelo aplicativo Meu INSS.

Vale lembrar que, neste caso, a duração do benefício por incapacidade temporária não será superior a 90 dias. Tambem não será possível solicitar uma prorrogação do auxílio. Se houver necessidade de continuar recebendo o pagamento, o segurado terá que fazer um novo requerimento.

Como requerer o benefício?

  • Acesse o site ou app Meu INSS
  • Após fazer login, selecione a opção “Serviços”, no menu superior
  • Selecione “Benefícios”
  • Busque “Auxílio-doença”
  • Clique em “Novo requerimento”
  • Anexe os documentos necessários
  • Gere o comprovante

Como deve ser a documentação no INSS?

A documentação médica anexada deve ter a indicação da data estimada do início dos sintomas da doença, acompanhada da declaração de responsabilidade quanto a sua veracidade, incluindo, obrigatoriamente, o atestado emitido pelo médico, observados os seguintes requisitos:

a) Redação legível e sem rasuras

b) Assinatura e identificação do profissional emitente, com registro do Conselho Regional de Medicina ou Registro Único do Ministério da Saúde (RMS)

c) Informações sobre a doença, preferencialmente com a Classificação Internacional de Doenças (CID)

d) Período estimado de repouso necessário

De forma complementar, deve ser anexados exames, laudos, relatórios ou outros documentos recentes que comprovem a doença informada na documentação médica apresentada.

“O atestado médico e os documentos complementares comprobatórios da doença serão submetidos à Perícia Médica Federal, que realizará a análise de conformidade documental e da verossimilhança da incapacidade temporária informada, com base em critérios estabelecidos pela Subsecretaria da Perícia Médica Federal da Secretaria de Previdência”, afirma a Portaria Conjunta 32.

O que acontece com quem já tem exame agendado no INSS?

A solicitação de auxílio-doença sem perícia médica não se aplica aos segurados com exames presenciais agendados dentro do prazo de até 60 dias, exceto quando for suspenso o funcionamento dos serviços de perícia na referida agência da Previdência Social.

E se o perito analisar os documentos e exigir o exame presencial?

Vale destacar que quando houver a necessidade de agendamento de exame médico pericial presencial, por decisão do perito que estiver analisando o pedido on-line, o segurado será notificado pelo INSS.

Neste caso, se não houver agendamento por parte do interessado, o processo será arquivado sem análise de mérito, por desistência do pedido. Mas será permitido ao interessado fazer um novo requerimento, que terá efeitos a partir da nova solicitação.

O que acontece em caso de documentação falsa?

O INSS alerta que a emissão ou a apresentação de atestado ou de documentos falsos ou que contenham informação falsa configura crime. Os responsáveis estarão sujeitos às sanções penais e ao ressarcimento dos valores recebidos indevidamente.

To Top