Com UTI cheia, PE usa escala de pontos de pacientes com Covid para definir prioridade em atendimento
Últimas Notícias

Com UTI cheia, PE usa escala de pontos de pacientes com Covid para definir prioridade em atendimento

RECIFE, PE (FOLHAPRESS) – Com média de espera de 12 horas para internar um paciente com sintomas da Covid-19 em um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), Pernambuco passou a usar neste mês uma calculadora que auxilia médicos a escolher quem deve ser atendido prioritariamente.

O EUP-UTI (Escore Unificado para Priorização) havia sido elaborado e recomendado pelo Cremepe (Conselho de Medicina de Pernambuco) em abril do ano passado. No entanto, só após debates entre a classe médica e as autoridades de saúde o sistema foi implementado.

Na prática, a partir de informações técnicas sobre a vitalidade, a presença de comorbidades e a fragilidade dos doentes, deve ser escolhido para acessar prioritariamente o leito aquele que tem mais chance de sobreviver.

Nesta quarta-feira (7), a taxa de ocupação de leitos para pacientes com sintomas da Covid-19 em Pernambuco era de 97%. Havia 101 doentes graves esperando na fila para acessar um leito de UTI. Nesta quinta-feira (8), foram confirmados no estado 82 novos óbitos em decorrência da doença.

O médico solicitante, que recebe o paciente e informa a necessidade de tratamento intensivo, preenche os dados numa calculadora virtual com um sistema de pontuação.

Com base neste cálculo, o nome do paciente sobe ou desce na fila da central de regulação de leitos. A escala de pontuação não leva em conta a faixa etária dos doentes.

Quanto menor a pontuação, mais chance o paciente tem de sobreviver. A calculadora recomendada pelo Cremepe faz a junção de escores clínicos já utilizados mundialmente.

A secretária-executiva de Regulação de Pernambuco, Ricarda Samara, diz que o sistema garante maior segurança na decisão médica.

“Imagine que há dois pacientes e temos que escolher quem vai para o respirador. Se eu fizesse a escolha pelo meu juízo, iria passar o resto da vida pensando sobre isso. O profissional fica acobertado porque não precisa fazer uma escolha pessoal”, explica.

Ela diz que havia a ideia de que, se for jovem, o paciente passaria automaticamente na frente de um idoso. “Estávamos condenando os idosos à morte. O escore dele pode ser bom. Poderíamos fazer uma avaliação errada”, ressalta.

Na escala, há quatro escores de pontuação –presença de comorbidades, fragilidade do paciente, capacidade de resposta do indivíduo para a doença e análise do funcionamento de órgãos vitais.

A escala vai de zero a quatro; a pontuação máxima é de 12. Dois dos escores se unem na pontuação (comorbidades e fragilidade).

A pontuação máxima indica que o paciente está em uma situação irreversível.

“A nossa escala é para priorização das vagas. Importante que se diga que nenhum paciente será abandonado. Todos continuam recebendo cuidados médicos”, destacou o presidente do Cremepe, Maurício Matos.

A calculadora está disponível no site do Cremepe. “A ferramenta é completamente pública. Qualquer estado pode utilizar”, informou Matos.

No dia 30 de março, a Secretaria de Saúde de Pernambuco encaminhou ofício com a recomendação do Cremepe a todas unidades de saúde da rede pública.

“Esses ajustes visam a melhoria do processo de regulação e a organização da lista de espera de pacientes por leitos de UTI com base em critérios técnicos”, diz o documento.

To Top