Empréstimo consignado do INSS com aumento da margem aos beneficiários
Benefícios

Empréstimo consignado do INSS com aumento da margem aos beneficiários

dinheiro notas

Empréstimo consignado do INSS com aumento da margem aos beneficiários Aposentados e pensionistas do INSS voltarão a contar com uma capacidade maior para tomar empréstimos consignados tão logo o presidente Jair Bolsonaro sancione o projeto de aumento da margem consignável aprovado pelo Congresso na semana passada.

Atualmente, aposentados e pensionistas podem comprometer até 35% da própria renda mensal para pagar parcelas debitadas diretamente dos seus benefícios, sendo 30% com empréstimos pessoais e 5% para débitos relativos a despesas ou saques com cartão de crédito.

A proposta aprovada no Congresso eleva a margem do empréstimo pessoal para 35% e mantém a do cartão em 5%, ampliando para um total de 40% da renda a capacidade de endividamento dos beneficiários.

Para mostrar como essa mudança vai mexer no bolso dos segurados da Previdência, o consultor do Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários) Wagner Souza calculou como ficam valores de parcelas, pagamento de juros e endividamento de beneficiários com diferentes faixas de renda que tomarem o novo empréstimo pessoal consignado de 35%.

As simulações mostram que, apesar do teto da taxa de juros mensal de 1,80% estar abaixo das aplicadas em outras modalidades de crédito, a dívida do contratante do empréstimo consignado pelo prazo máximo de 84 meses será de quase o dobro do crédito tomado.

Por exemplo, se um aposentado que ganha o piso de R$ 1.100 comprometer 35% da sua renda com 84 parcelas de R$ 385, o valor que ele colocará no bolso será de R$ 16.609. Mas, ao final do contrato, ele terá pago ao banco R$ 32.340. Um valor quase 95% mais alto. Confira outros exemplos ao final do texto.

“O principal fator para esse valor tão alto da dívida é o tempo: as simulações que nós fizemos consideram o prazo máximo para pagamento, que é de 84 meses”, diz Souza. “A taxa, por mais baixa que ela possa parecer, no decurso do tempo, eleva bastante a dívida.”

Os empréstimos com o acréscimo de 5% na margem consignável poderão ser solicitados até 31 de dezembro deste ano.

O projeto também autoriza bancos e demais instituições financeiras a concederem carência de 120 dias para contratos novos e antigos, mas mantém a aplicação dos juros durante o período em que o segurado não está pagando as parcelas.

Em outubro do ano passado, o governo já havia autorizado a ampliação da margem consignável como uma das medidas para amenizar os impactos econômicos da pandemia da Covid-19. A ampliação, também para 40% da renda dos beneficiários, vigorou até o fim de 2020.

Para Roberto de Carvalho Santos, presidente do Ieprev, a ampliação da margem consignável é benéfica quando utilizada para o pagamento de empréstimos com juros mais altos, mas, na prática, não é isso o que acontece.

“Em uma situação como a que o país está, com muitas pessoas sendo colocadas em situação de miséria pela pandemia, o endividamento do aposentado ocorre para atender necessidades do seu grupo familiar”, diz Santos.

“A alternativa que o governo pode oferecer para evitar o comprometimento da renda dos aposentados é retomar o quanto antes o pagamento do auxílio emergencial para pessoas que estão sem trabalho e renda”, afirma.

NOVA MARGEM DO CONSIGNADO | COMO FICA O EMPRÉSTIMO NO INSS

Simulações mostram até quanto o aposentado ou pensionista poderá pegar emprestado conforme a sua renda mensal, o valor das parcelas, total da dívida e o quanto será pago de juros

Todos os cálculos abaixo são para o empréstimo pessoal consignado, cuja margem subirá de 30% para 35% do benefício, para pagamento em 84 parcelas e com o teto de juros de 1,80% ao mês*

BENEFÍCIO NO INSS: R$ 1.100

A margem consignável sobe de R$ 330 para R$ 385.Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 16.609,46R$ 385,00R$ 32.340,00R$ 15.730,54

BENEFÍCIO: R$ 2.000

A margem consignável sobe de R$ 600 para R$ 700.Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 20.000,00R$ 463,59R$ 38.941,56R$ 18.941,56
R$ 30.199,02R$ 700,00R$ 58.800,00R$ 28.600,98

BENEFÍCIO: R$ 3.000

A margem consignável sobe de R$ 900 para R$ 1.050 .Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 20.000,00R$ 463,59R$ 38.941,56R$ 18.941,56
R$ 45.298,53R$ 1.050,00R$ 88.200,00R$ 42.901,47

BENEFÍCIO: R$ 4.000

A margem consignável sobe de R$ 1.200 para R$ 1.400.Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 20.000,00R$ 463,59R$ 38.941,56R$ 18.941,56
R$ 60.398,04R$ 1.400,00R$ 117.600,00R$ 57.201,96

BENEFÍCIO: R$ 5.000

A margem consignável sobe de R$ 1.500 para R$ 1.750.Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 20.000,00R$ 463,59R$ 38.941,56R$ 18.941,56
R$ 75.497,55R$ 1.750,00R$ 147.000,00R$ 71.502,45

BENEFÍCIO: R$ 6.433,57

A margem consignável sobe de R$ 1.930,07 para R$ 2.251,75.Confira:

Valor do empréstimoPrestaçãoTotal da dívidaJuros
R$ 1.000,00R$ 23,18R$ 1.947,12R$ 947,12
R$ 5.000,00R$ 115,90R$ 9.735,60R$ 4.735,60
R$ 10.000,00R$ 231,80R$ 19.471,20R$ 9.471,20
R$ 15.000,00R$ 347,69R$ 29.205,96R$ 14.205,96
R$ 20.000,00R$ 463,59R$ 38.941,56R$ 18.941,56
R$ 97.143,77R$ 2.251,75R$ 189.147,00R$ 92.003,23

*Cálculos feitos pelo Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários)

Empréstimo pessoal consignado | o que está valendo e o que muda

  • Para o empréstimo consignado, o aposentado pode comprometer até 30% do valor mensal do seu benefício, independente do número de contratos que possui
  • A proposta aprovada pelo Congresso aumenta a margem do salário que pode ser comprometida com o empréstimo para 35%
  • A taxa máxima de juros do empréstimo é de 1,80% ao mês e a dívida pode ser parcelada em 84 meses. Isso não muda
  • O segurado pode fazer até nove contratos de empréstimo pessoal, desde que o valor total das parcelas respeite a margem consignável

Cartão de crédito consignado | regras não mudam

  • Na modalidade cartão de crédito consignado, a margem da renda que pode ser comprometida é de 5%. A taxa mensal de juros é de 2,70%
  • No cartão consignado, o beneficiário tem ainda um limite de valor que equivale a 160% da sua aposentadoria ou pensão
  • Cada beneficiário pode ter apenas um contrato de cartão de crédito consignado

VEJA SUA MARGEM

  • O aposentado ou pensionista do INSS que quer fazer empréstimo deve consultar quanto do benefício já comprometeu e quanto ainda pode contratar por mês
  • A consulta à chamada margem consignável pode ser feita em no portal Meu INSS ou no aplicativo com o mesmo nome

Como consultar

  1. Acesse o Meu INSS
  2. Informe CPF e senha; se for necessário, informe email para receber um código de validação
  3. Em “Serviços em Destaque”, clique em “Extrato de Empréstimo”

Fontes: Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários), INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e PLV nº 2 de 2021

To Top