Presidente de tribunal barra compra de vacinas pela iniciativa privada sem doação ao SUS
Últimas Notícias

Presidente de tribunal barra compra de vacinas pela iniciativa privada sem doação ao SUS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Italo Fioravanti Sabo Mendes, derrubou nesta quarta-feira (7) decisões da primeira instância da Justiça Federal em Brasília que liberam entidades privadas a importar vacinas contra a Covid-19 sem a obrigação de repassá-las aos Sistema Único de Saúde.

Mendes afirmou que as autorizações, agora anuladas, poderiam ocasionar “grave lesão à ordem pública”, além de interferir “indevidamente na definição das políticas de vigilância sanitária, em prejuízo à competência conferida por lei ao Poder Executivo”.

Em uma série de decisões nos últimos dias, o juiz substituto da 21ª Vara Federal de Brasília, Rolando Spanholo, entendeu que a exigência de doação das vacinas ao SUS é inconstitucional.

Spanholo aceitou os argumentos de entidades que recorreram à Justiça Federal de que a previsão legal viola o direito fundamental à saúde ao atrasar a imunização.

Aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março, a Lei nº 14.125 obriga a doação ao SUS de 100% de vacinas compradas por empresas ou outras instituições enquanto todos os grupos considerados prioritários não forem vacinados.

A AGU (Advocacia-Geral da União) e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recorreram ao TRF-1, alertando que as decisões liminares (provisórias) de Spanholo poderiam comprometer o plano nacional de imunização

Ao contrário do juiz de primeira instância, o presidente do tribunal afirmou que não se pode afirmar, “com a segurança que o caso requer”, que a legislação apresenta inconstitucionalidade flagrante.

“O juízo de origem acabou, permissa venia, interferindo no próprio exercício das funções desempenhadas pela Anvisa, especificamente na esfera de suas deliberações relacionadas ao exame prévio e necessário acerca da qualidade, eficácia e segurança das vacinas a serem importadas”, afirmou Mendes.

E completou: “[Acabou] interferindo, ainda, data venia, no cumprimento ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, no quadro de grave crise sanitária vivenciado no país.”

Com a decisão do TRF-1, ficam sem validade liminares concedidas em favor de sindicatos, associações de profissionais e empresas no Distrito Federal e diversos estados, como Minas Gerais e Paraíba.

To Top