Merkel quer assumir controle da luta contra pandemia nos Estados alemães
Brasil

Merkel quer assumir controle da luta contra pandemia nos Estados alemães

Merkel quer assumir controle da luta contra pandemia nos Estados alemães

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, planeja assumir o controle dos Estados federais para impor restrições em regiões com números altos de infecções de coronavírus, disse uma porta-voz do governo, enquanto o país luta para conter uma terceira onda da pandemia.

O governo federal pretende apresentar um esboço de legislação na próxima semana, disse ela.

Uma fonte disse à Reuters mais cedo que isto incluirá medidas compulsórias em regiões com 100 ou mais casos novos de coronavírus para cada 100 mil pessoas em um período de sete dias.

Com uma incidência abaixo de 100 em sete dias, os Estados manterão o controle de medidas para conter a disseminação do vírus.

A cifra atingiu uma alta de quase 200 no final de dezembro, pouco depois de a Alemanha passar de um “lockdown light” iniciado no início de novembro, durante o qual escolas e lojas ficaram abertas, a um confinamento total.

A marca mais recente foi de 110,4, de acordo com dados do Instituto de Doenças Infecciosas Robert Koch (RKI).

Mas as medidas de contenção alemãs variam de região a região por causa do sistema federal descentralizado do país. Em algumas regiões, os consumidores podem ir às compras se tiverem um exame negativo de Covid-19, enquanto em outras o comércio está fechado.

Algumas, como Berlim, adotam proibições a reuniões noturnas, e outras, como o Sarre, permitem que restaurantes e cervejarias instalem mesas do lado de fora.

Merkel e vários líderes regionais pedem um lockdown curto e rigoroso de âmbito nacional enquanto o país tenta vacinar mais pessoas.

“As regras de distanciamento social, obrigatoriedade de máscaras, toques de recolher deveriam ser regulamentados em nível nacional”, disse Armin Laschet, presidente da União Democrata Cristã (CDU) de Merkel.

O número de casos confirmados de coronavírus aumentou 25.464 em um dia – 3.576 mais do que uma semana antes, mostraram dados do RKI nesta sexta-feira.

Mas o instituto alertou que as cifras podem estar distorcidas após o final de semana prolongado do feriado da Páscoa, acrescentando que espera números de casos confiáveis aproximadamente a partir de meados da semana que vem.

A principal autoridade de saúde pública alemã disse que um lockdown de duas a quatro semanas é necessário para romper a terceira onda.

(Por Andreas Rinke e Caroline Copley)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH380YW-BASEIMAGE

To Top