Brasil

Lote de 2,3 milhões de remédios para intubação doados por empresas chega ao Brasil nesta quinta

Lote de 2,3 milhões de remédios para intubação doados por empresas chega ao Brasil nesta quinta

Um lote com 2,3 milhões de medicamentos usados na intubação de pacientes chegará ao Brasil na noite desta quinta-feira e serão doados por um grupo de sete empresas ao Ministério da Saúde, disse a Vale, uma das companhias envolvidas na doação em nota.

O pool de empresas espera ainda para este mês a chegada no Brasil de um segundo lote com mais 900 mil medicamentos, como sedativos, neurobloqueadores musculares e analgésicos opioides que também serão doados para serem usados no Sistema Único de Saúde (SUS) em meio à escassez desses produtos causadas pela alta demanda de pacientes acometidos pela Covid-19 que precisam de intubação em unidades de terapia intensiva de todo o país.

“Todos os medicamentos serão doados ao Ministério da Saúde em quantidade suficiente para a gestão de 500 leitos pelo período de um mês e meio”, afirmou a Vale em nota.

Além da mineradora, participam do grupo de empresas que fez a doação Engie, Itaú Unibanco, Klabin, Petrobras, Raízen e TAG, disse a Vale.

Atualmente no momento mais grave da pandemia de Covid-19, com uma média diária superior a 3 mil mortos pela doença, o Brasil tem visto vários Estados apontarem problemas com o abastecimento de medicamentos do chamado “kit intubação”, tanto na rede pública quanto na privada.

No Estado de São Paulo, o mais rico e de maior população do país, por exemplo, a Secretaria de Saúde disse na quarta-feira ter estoque desses medicamentos somente para “alguns dias” e em outros locais, como em cidades do Rio de Janeiro, há relatos de pacientes tendo de ser amarrados em leitos enquanto ficam intubados devido à falta de sedativos.

Diante da escassez, o Ministério da Saúde fez uma requisição administrativa para fabricantes e distribuidores desses remédios com vistas a centralizar as compras e posterior distribuição a Estados e municípios. Governos locais, no entanto, reclamam da continuidade da falta dos remédios e da dificuldade em adquiri-los diretamente dada a requisição do ministério.

Na quarta, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse em pronunciamento à imprensa que, após uma compra feita com apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), a pasta espera normalizar seus estoques em 10 dias. Disse ainda que o governo federal realizará um pregão internacional para adquiri mais medicamentos usados na intubação de pacientes.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3E13P-BASEIMAGE

To Top