Teich diz que havia desejo de Bolsonaro de adotar cloroquina, mas não recebeu ordem direta
Brasil

Teich diz que havia desejo de Bolsonaro de adotar cloroquina, mas não recebeu ordem direta

Teich diz que havia desejo de Bolsonaro de adotar cloroquina, mas não recebeu ordem direta

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta quarta-feira que havia o desejo do presidente Jair Bolsonaro de adotar a cloroquina como protocolo no tratamento do Covid-19, mas que não houve uma ordem direta do chefe do Executivo para ele determinando o uso desse medicamento que não tem eficácia comprovada para o coronavírus.

“Existia um desejo do presidente para fazer isso (adotar a cloroquina como protocolo)”, disse ele, em depoimento na CPI da Covid do Senado.

“A gente conversava, e ele comentava que ele tinha a posição dele, mas uma ordem eu nunca recebi”, destacou.

O ex-ministro disse que não tem indicação de uso de um kit para tratamento de Covid e há médicos que estão indicando remédios que não funcionam. Para ele, seria “inadequado” e “errado” essa prescrição.

Teich, que ficou no cargo entre 17 de abril e 15 de maio do ano passado, creditou o seu pedido de demissão do cargo à falta de autonomia para conduzir seu trabalho. “A cloroquina foi realmente pontual, mas existiam outras coisas que aconteceram que já foram colocadas, mas a minha saída essencialmente foi porque eu não teria a autonomia e a liderança para conduzir da forma que eu achava que devia”, afirmou.

IMUNIDADE

O ex-ministro disse também que a chamada tese da imunidade de rebanho é um erro, e a imunidade se adquire por meio da vacinação.

Em falas públicas, o presidente chegou a sugerir que o grau de casos do Covid-19 poderia cair em caso de um amplo contágio com a doença.

(Reportagem de Ricardo Brito)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH44165-BASEIMAGE

To Top