México atrasa permissões de importação de milho transgênico, diz associação
Agro

México atrasa permissões de importação de milho transgênico, diz associação

México atrasa permissões de importação de milho transgênico, diz associação

O governo mexicano atrasou em mais de dois anos a aprovação de permissões de importação de milho geneticamente modificado, contemplado em uma proibição planejada até mesmo para a alimentação de criações, segundo o chefe da organização agroindustrial mais importante do país.

Juan Cortina, presidente do Conselho Nacional Agropecuário (CNA), afirmou que a autoridade sanitária, Cofepris, postergou o aval de 16 solicitações de compras externas de organismos geneticamente modificados, entre os quais oito dessas solicitações eram para o milho.

“É um tema que vem se tornando cada vez maior”, afirmou Cortina em uma entrevista com a Reuters na quarta-feira. “Antes desta administração? Claro que não”, respondeu ele, sobre se tinha conhecimento do atraso das permissões no passado.

A Cofepris não respondeu de imediato a solicitação de comentários sobre o que Cortina disse, que acrescentou que a lista de permissões adiadas relacionadas à “proteção de cultivos” era de mais de 700 produtos ou insumos agrícolas.

O diretor afirmou que a CNA continuará combatendo nos tribunais um plano governamental para eliminar gradualmente o uso de milho geneticamente modificado e do herbicida glifosato para 2024, após um revés recente para congelar a implementação da medida, anunciada no final de dezembro através de um decreto presidencial.

O plano visa substituir milhões de toneladas de milho amarelo geneticamente modificado que o México importa, em sua grande maioria dos Estados Unidos, com nova produção local para 2024, assim como o glifosato, um químico muito utilizado na agroindústria, mas que os ambientalistas afirmam ser cancerígeno.

As importações de milho transgênico representam mais que um terço da demanda nacional do país e alimenta principalmente a grande indústria pecuária no México.

(Reportagem de Adriana Barrera e David Alire)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5914Q-BASEIMAGE

To Top