Benefícios no INSS estão sendo cada vez mais liberados via judicial
Benefícios

Benefícios no INSS estão sendo cada vez mais liberados via judicial

previdência social INSS

Benefícios no INSS estão sendo cada vez mais liberados via judicial A busca pela concessão de benefício previdenciário na Justiça aumentou mais de 550% entre 2004 e 2019 e continua a crescer, segundo levantamento da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) baseado em dados obtidos pelos sistemas gerenciais de benefícios do INSS.

A cada 50 benefícios concedidos pelo INSS em 2004, um deles tinha como origem uma decisão judicial. No ano passado, de janeiro a outubro, a proporção foi de aproximadamente uma concessão por decisão judicial a cada oito liberações feitas pelo INSS.

Para especialistas em direito previdenciário a demora na análise e o quadro defasado de servidores do órgão estão entre as razões para a judicialização. “Em 2020, especificamente, teve a pandemia, o fechamento das agências, mas há ainda a digitalização do processo. As pessoas não têm mais a facilidade de explicar uma situação ao analista na agência”, afirma a advogada Maria Faiok.

O advogado Luiz Almeida diz que a Justiça também é o recurso de segurados em busca de direitos ainda não reconhecidos no INSS, como o do período de aviso-prévio indenizado no cálculo do tempo de contribuição, e pela aposentadoria especial, que exige menos tempo de contribuição e perícias médicas.

“Quando a especial é negada, não vale a pena entrar com recurso no INSS, pois a perícia judicial é mais técnica”, afirma Almeida. O levantamento da Fipe expõe situação: de junho de 2003 a outubro de 2020, 75% dos benefícios deste tipo foram concedidos por via judicial.

Atualmente, o tempo médio de julgamento de processos contra o INSS na Justiça Federal da 3ª Região, que atende os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, é de 396 dias.

A partir de junho, durante dois anos, o INSS terá novos prazos para responder a seus segurados. O prazo oficial de 45 dias para todos os requerimentos será substituído por períodos que chegam a 90 dias.

To Top