Pandemia afeta saúde mental de atletas nos Jogos de Tóquio
Esporte

Pandemia afeta saúde mental de atletas nos Jogos de Tóquio

Pandemia afeta saúde mental de atletas nos Jogos de Tóquio

Isolamento e ausência de familiares e amigos têm afetado a saúde mental dos atletas na Olimpíada de Tóquio, e alguns estão sofrendo para lidar com os desafios da pandemia ao mesmo tempo em que carregam as esperanças de seus países no grande palco do esporte global.

Após a saída da prova coletiva da ginástica artística na terça-feira, Simone Biles afirmou que estava carregando o peso do mundo em seus ombros. Esse fardo parece ter sido exacerbado por um ano de luto, perda e restrições associados à pandemia de Covid-19.

“Geralmente, você fica um tempo na vila (olímpica), tudo isso”, disse Biles. “É chato quando você sente o peso do mundo. Não há escapes, com a quantidade de treinos que fazemos.”

Os atletas tiveram seus treinamentos pré-olímpicos prejudicados pelos lockdowns e o acesso restrito às instalações atléticas, e o adiamento dos Jogos gerou preocupação sobre o calendário de classificatórias e a capacidade de viajar internacionalmente sem contrair o vírus.

Familiares e amigos não podem torcer por eles nas arquibancadas de Tóquio e seus movimentos são muito restritos.

A pandemia levou a equipe norte-americana de ginástica a evitar a agitação da Vila Olímpica e se hospedar em um hotel nas redondezas por motivos de segurança, o que tira um pouco do brilho da experiência olímpica.

“Não digo que não temos uma grande configuração”, disse Biles. “Escolhemos isso para ficarmos seguros da Covid, os protocolos e tudo”.

“TRAJETÓRIA DIFÍCIL”

Mesmo antes de chegar a Tóquio, os atletas enfrentaram pressões novas e pouco familiares associadas à pandemia. Precisaram encontrar maneiras de treinar durante o lockdown e se classificar ao maior evento esportivo sem comprometer sua saúde ou a de suas famílias e comunidades.

“Quando descobrimos que os Jogos haviam sido adiados pela pandemia, nossa base de treinamentos foi fechada. Ficamos em quarentena por um ano e meio e treinando o tempo inteiro”, afirmou a ginasta Angelina Melnikova, do Comitê Olímpico Russo, que venceu os EUA para levar a medalha de ouro na prova feminina por equipes.

Outros atletas contraíram Covid-19 na viagem para Tóquio, nos próprios Jogos ou nos primeiros momentos da pandemia, o que ameaçou descarrilar anos de trabalho extenuante pela Olimpíada.

O nadador britânico Tom Dean contraiu Covid-19 duas vezes na preparação para Tóquio, o que o forçou a passar dias em isolamento e interromper seu treinamento. O atleta de 21 anos ainda ganhou a medalha de ouro nos 200 metros livre na terça-feira para ajudar o Reino Unido a ter seu melhor começo em Jogos Olímpicos.

Outros atletas que contraíram Covid-19 não tiveram tanta sorte.

O esgrimista sul-coreano Oh Sangue, que foi internado por um mês com o vírus, caiu nas quartas de final contra o Georgiano Sandro Bazadze, perdendo por 15 x 13.

Como tantas pessoas ao redor do mundo, atletas olímpicos também perderam entes queridos ao vírus. A colega de Biles, Sunisa Lee, que levou três medalhas no Mundial de 2019, perdeu a tia e o tio para a pandemia enquanto se preparava para Tóquio.

(Reportagem adicional de Sakura Murakami, Aaron Sheldrick, Amy Tennery, Omar Mohammed e Alan Baldwin)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6S13G-BASEIMAGE

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6S13Q-BASEIMAGE

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6S13L-BASEIMAGE

To Top