Tinha poderes para fechar Brasil, mas não tranquei um botequim, diz Bolsonaro
Política

Tinha poderes para fechar Brasil, mas não tranquei um botequim, diz Bolsonaro

portalmixvalegoogle

Alvo de críticas na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o presidente Jair Bolsonaro fez neste sábado uma defesa da atuação do governo durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, era preciso atuar em duas frentes “com a mesma responsabilidade”: a do tratamento do vírus e a do desemprego. “Tinha poderes para fechar Brasil, mas não tranquei um botequim sequer”, disse.

O comentário de Bolsonaro, feito a uma plateia de apoiadores em Presidente Prudente, no interior de São Paulo, repete uma ideia defendida pelo governo desde o início da pandemia. Para especialistas ligados à área médica e mesmo economistas de fora do governo, no entanto, esta ideia traz um falso dilema: o de que tratar do vírus pressupõe prejudicar a economia.

Aos apoiadores, Bolsonaro também voltou a afirmar que o Supremo Tribunal Federal (STF) o impediu de tomar as medidas necessárias durante a pandemia. “Se tivesse autoridade para conduzir o Brasil naquele momento, menos pessoas teriam nos deixado”, afirmou. O Brasil soma atualmente 555.512 mortes pela covid-19, conforme o Consórcio de Imprensa.

A afirmação do presidente sobre o Supremo, no entanto, é incorreta. Na quarta-feira, o STF já havia rebatido Bolsonaro por meio das redes sociais, afirmando que “uma mentira repetida mil vezes” não se torna verdade.

“É falso que o Supremo tenha tirado poderes do presidente da República de atuar na pandemia. É verdadeiro que o STF decidiu que União, estados e prefeituras tinham que atuar juntos, com medidas para proteger a população”, disse o Supremo na ocasião.

No evento deste sábado, Bolsonaro também afirmou que o País nunca teve um “time de ministros como eu tenho, escolhidos por critério técnico”. O comentário contrasta com as mudanças mais recentes anunciadas pelo próprio governo, feitas para acomodar apoiadores do Centrão em cargos do primeiro escalão da administração pública.

O senador Ciro Nogueira (PI), presidente do PP, foi alocado na Casa Civil, o que consolida a influência da cúpula do Centrão no governo. Com isso, o general da reserva Luiz Eduardo Ramos foi deslocado para a Secretaria-Geral da Presidência. Onyx Lorenzoni (DEM), que estava na secretaria, será o titular do Ministério do Trabalho – Pasta retirada do controle do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Durante o evento em Presidente Prudente, Bolsonaro também afirmou que “muitos deputados e senadores” estão do lado do governo. Ao mesmo tempo, relativizou sua atuação como político. “Não nasci para ser político, nasci para ser soldado”, afirmou. Ex-militar, Bolsonaro foi durante 27 anos deputado federal, antes de se tornar presidente.

Bolsonaro participou neste sábado de passeio de motocicletas em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Nesta tarde, ele visita um hospital na cidade e se reúne com prefeitos da região.

To Top