Merkel busca acalmar temores sobre gasoduto Nord Stream 2
Economy

Merkel busca acalmar temores sobre gasoduto Nord Stream 2

portalmixvalegoogle

Por Alicja Ptak e Madeline Chambers

VARSÓVIA (Reuters) – A chanceler alemã Angela Merkel tentou acalmar temores sobre o gasoduto Nord Stream 2 neste sábado, em uma visita de despedida à Polônia durante a qual ela também deu um tom conciliador sobre o conflito de Varsóvia com a União Europeia por causa das reformas judiciais.

Com o tempo de Merkel como chanceler chegando ao fim, a questão do gasoduto da Rússia azedou as relações com os países da Europa Central e Oriental, alguns deles membros da UE, que dizem que isso aumentará a dependência do bloco do gás russo e pode ser usado por Moscou para exercer pressão.

A russa Gazprom disse na sexta-feira que concluiu a construção do gasoduto, localizado no Mar Báltico, que poderia permitir que ele contornasse a rival política Ucrânia, cortando uma fonte de bilhões de dólares em taxas de trânsito de gás para Kiev.

O acordo de cinco anos de trânsito da Rússia com a Ucrânia expira após 2024. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Ucrânia deve mostrar boa vontade se quiser continuar.

“Eu deixei claro que é nossa preocupação que a Ucrânia continue a ser um território de trânsito para o gás russo”, disse Merkel durante uma coletiva de imprensa conjunta com o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki.

Morawiecki disse que garantir que o gás ainda transite pela Ucrânia, apesar da introdução do gasoduto Nord Stream 2, diminuirá a chance de “chantagem” da Rússia.

A Polônia e a Hungria estão envolvidas em uma longa disputa com a União Europeia por questões que incluem independência judicial, liberdade de imprensa e direitos LGBT, uma disputa que se intensificou com Bruxelas entrando com ações legais contra Varsóvia e Budapeste.

A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, pediu ao tribunal superior do bloco que multasse a Polônia pelas atividades de uma câmara disciplinar de juízes.

Merkel tem enfrentado críticas de que ela poderia ter feito mais para impedir o retrocesso democrático no leste da União Europeia durante seu mandato. No sábado, ela manteve a ênfase na busca de consenso.

“Sobre o estado de direito, conversamos profundamente sobre isso. Preferimos que isso seja resolvido por meio de conversas”, disse ela. “Resolver as coisas com processos judiciais é sempre uma possibilidade em um país com um estado de direito, mas a política é mais do que ir aos tribunais.”

(Reportagem de Alan Charlish, Justyna Pawlak, Anna Koper e Alicja Ptak em Varsóvia, Andreas Rinke e Madeline Chambers em Berlim, John Chalmers em Bruxelas)

To Top