Bolsonaro ameaça pilares da democracia, diz Human Rights Watch
Brasil

Bolsonaro ameaça pilares da democracia, diz Human Rights Watch

Bolsonaro ameaça pilares da democracia, diz Human Rights Watch

SÃO PAULO (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro ameaça os pilares da democracia brasileira com seus constantes ataques e ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF) e com suas afirmações de que pode não haver eleições no ano que vem, caso não seja adotada a impressão do voto pela urna eletrônica, disse a entidade de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) nesta quarta-feira.

Em relatório, a HRW cita os discursos feitos por Bolsonaro em manifestações no dia 7 de Setembro em Brasília e em São Paulo, nas quais afirmou que não cumpriria decisões do ministro Alexandre de Moraes, do STF, voltou a afirmar sem provas que o sistema eleitoral é passível de fraudes e disse que o presidente do Supremo, Luiz Fux, deve “enquadrar” seus colegas, ameaçando pôr fim a corte com uma ruptura.

“O presidente Bolsonaro, um apologista da ditadura militar no Brasil, está cada vez mais hostil ao sistema democrático de freios e contrapesos”, disse José Miguel Vivanco, diretor de Américas da Human Rights Watch, no relatório divulgado para marcar o Dia da Democracia, celebrado nesta quarta.

“Ele está usando uma mistura de insultos e ameaças para intimidar a Suprema Corte, responsável por conduzir as investigações sobre sua conduta, e com suas alegações infundadas de fraude eleitoral parece estar preparando as bases para tentar cancelar as eleições do próximo ano ou contestar a decisão da população se ele não for reeleito.”

Os discursos de Bolsonaro no 7 de Setembro geraram forte reação, especialmente de Fux e do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, atualmente na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também um dos alvos preferenciais dos ataques do presidente.

Diante disso, Bolsonaro divulgou nota em que baixou o tom de sua retórica inflamada contra as instituições e afirmou não ter tido a intenção de agredi-las.

Na terça-feira, o presidente disse durante discurso em evento em Brasília que a harmonia entre os Poderes é a “alegria do povo”.

Vivanco, da HRW, afirmou que a comunidade internacional deve estar atenta a Bolsonaro diante das ameaças que ele faz à democracia brasileira.

“As ameaças do presidente Bolsonaro de cancelar as eleições e agir fora da Constituição em resposta às investigações contra ele são imprudentes e perigosas”, disse. “A comunidade internacional deve mandar uma mensagem clara ao presidente Bolsonaro de que a independência do Judiciário significa que os tribunais não estão sujeitos as suas ordens”, acrescentou.

Procurada, a Presidência da República não respondeu de imediato a pedidos de comentários sobre as declarações da Human Rights Watch.

(Reportagem de Eduardo Simões)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8E0O6-BASEIMAGE

To Top