Eneva inaugura Unidade de Tratamento de Gás Azulão, no Amazonas
Business

Eneva inaugura Unidade de Tratamento de Gás Azulão, no Amazonas

Eneva inaugura Unidade de Tratamento de Gás Azulão, no Amazonas

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Eneva inaugurou nesta segunda-feira a Unidade de Tratamento de Gás (UTG) Azulão, no campo de mesmo nome em Silves (AM), que enviará o produto por carretas para a geração da usina térmica Jaguatirica II, em Roraima, informou a companhia.

O projeto integrado Azulão-Jaguatirica, cujo investimento total soma 1,8 bilhão de reais, torna possível a comercialização do gás do campo de Azulão, na Bacia do Amazonas, comprado há três anos pela Eneva da Petrobras, que o descobriu na década de 90 e o declarou comercial em 2004.

A previsão é de que a usina Jaguatirica II entre em operação comercial ainda em 2021, disse à Reuters o diretor de Operações da Eneva, Lino Cançado.

“Jaguatirica II já entrou fase de comissionamento… Tem uma sequência de testes a serem feitos”, afirmou o executivo, por telefone.

A usina, de 140 MW de capacidade, venceu leilão de energia da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para suprimento a Boa Vista (RR) e localidades conectadas em 2019, negociando à época 127 MW de capacidade. O excedente, segundo o executivo, poderá ser comercializado no mercado livre.

CONTRIBUIÇÃO E MENOS EMISSÕES

A contribuição da térmica será de extrema importância para Roraima, único Estado brasileiro ainda isolado do Sistema Interligado Nacional (SIN). Segundo a companhia, o projeto contribuirá com cerca de 70% do consumo de energia elétrica do Estado.

Cançado destacou ainda que, quando em operação, a termelétrica reduzirá em 35% as emissões de CO2 (Dióxido de Carbono) e 99% de Óxido de Nitrogênio, com a substituição da matriz de geração local, atualmente baseada em diesel, por gás natural.

Além de tornar a matriz mais limpa, o executivo pontuou que o gás produzido pela Eneva ainda substituirá uma parcela de gás importado ao Brasil até então necessária para abastecer Roraima.

Para chegar a Jaguatirica II, o gás é liquefeito no local da extração na UTG Azulão e transportado em carretas com isotanques até Boa Vista, num percurso de 1.100 quilômetros.

Cada carreta tem capacidade para transportar 20 toneladas de gás natural liquefeito (o equivalente a 50 m³ de GNL). Na capital de Roraima, o gás será regaseificado e utilizado para acionar as turbinas da termelétrica de Jaguatirica II. O transporte da carga é sempre feito durante o dia e o percurso tem dois dias de duração.

NOVOS POÇOS

Em busca de expandir a sua atuação na região, Cançado destacou que a Eneva iniciou neste mês uma nova perfuração de extensão ao campo de Azulão, primeira área produtora de gás na Bacia do Amazonas.

Em seus planos, prevê a perfuração de um total de 5 a 7 poços na Bacia do Amazonas, todos em áreas próximas à Azulão, até meados do próximo ano, com investimentos de 100 milhões de reais.

Azulão possui atualmente uma reserva certificada com recursos provados e prováveis (2P) de aproximadamente 6,3 bilhões de metros cúbicos de gás natural, dos quais 3,6 bilhões de metros cúbicos estão comprometidos com Jaguatirica.

(Por Marta Nogueira)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8Q0YE-BASEIMAGE

To Top