Sindicato de trabalhadores de Hollywood autoriza greve se negociação com produtores fracassar
Business

Sindicato de trabalhadores de Hollywood autoriza greve se negociação com produtores fracassar

Sindicato de trabalhadores de Hollywood autoriza greve se negociação com produtores fracassar

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) – Membros de um sindicato que representa operadores de câmera, maquiadores e outros trabalhadores que atuam por trás das câmeras em filmes e programas de televisão de Hollywood votaram majoritariamente pela autorização de uma greve caso não cheguem a um acordo com os produtores para um novo contrato, anunciou o sindicato nesta segunda-feira. 

A Aliança Internacional de Empregados de Palcos Teatrais (IATSE, na sigla em inglês), que representa cerca de 60 mil trabalhadores, incluindo também editores de som e cabeleireiros, afirmou em um comunicado que 90% de seus membros votaram e que mais de 98% dos votos eram a favor da autorização de uma greve. 

A votação não significa que haverá paralisação, mas fortalece o lado dos líderes da IATSE nas negociações com a Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP, na sigla em inglês). 

“Eu espero que os estúdios vejam e entendam a determinação dos nossos membros”, afirmou o presidente da IATSE, Matthew Loeb, em nota. “Se eles querem evitar uma greve, eles irão voltar à mesa de negociação e farão uma proposta razoável”. 

“Nossos membros têm necessidades humanas básicas como: tempo para intervalos para alimentação, sono adequado, e final de semana”, acrescentou Loeb. 

O sindicato busca reduzir as horas de trabalho, que podem chegar a até 14 horas por dia, enquanto a demanda por programas de televisão e filmes cresceu, principalmente para plataformas de streaming como a Netflix, Disney+, Apple TV+ e Amazon Prime Video. 

O grupo também quer aumentos salariais para trabalhadores envolvidos em projetos para o streaming, que possuem remunerações menores do que em trabalhos para programas de TV, por conta de um acordo firmado em 2009, quando o streaming e as mídias online estavam ainda no início. 

(Reportagem de Jill Serjeant)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH93188-BASEIMAGE

To Top