Aumento no IOF deixará ao brasileiro crédito mais caro
Benefícios

Aumento no IOF deixará ao brasileiro crédito mais caro

Rotina estruturada e leitura: como se organizar para ter maiores chances de sucesso nos investimentos

Aumento no IOF deixará ao brasileiro crédito mais caro Confira as simulações para compra de geladeira, financiamento de carro, empréstimo e uso do cheque especial e cartão de crédito.

O governo aumentou o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para o crédito em 33% e desde esta segunda-feira (20) a alíquota anual para as pessoas físicas passou de 3% para 4,8%. Para as empreas a taxa foi de 1,5% ao ano para 2,04%.

A medida está prevista para ir até o dia 31 de dezembro e tem por objetivo arrecadar recursos para custear o Auxílio Brasil, o programa proposto pelo governo para substituir o Bolsa Família.

Mas de que forma esse aumento mexe com o nosso bolso?

A coluna pediu ao economista Miguel Ribeiro de Oliveira, da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) para mostrar, com exemplos, o que isso vai pesar a mais no bolso do consumidor.

As simulações mostram seis situações:

1) Financiar a compra de uma geladeira;

2) Financiamento a compra de um automóvel;

3) Fazer um empréstimo pessoal;

4) Ficar devendo no cheque especial;PUBLICIDADE

5) Entrar no rotativo do cartão de crédito porque não pagou a fatura cheia na data do vencimento;

6) E, no caso das empresas, pegar dinheiro via capital de giro

Veja os cálculos para a pessoa física:

E também no caso das empresas:

Além do IOF, juros também devem subir

Como pode se ver pelas simulações, o custo de pegar dinheiro emprestado ou financiar bens ficou mais elevado.

Mas tem um detalhe. As taxas de juros foram baseadas em médias atuais, mas é esperado que as elas também subam em breve, já nesta quarta-feira (22), quando o Copom fará o anúncio da nova taxa Selic, a taxa de juros básica da economia.

alta esperada é uma “paulada” de um ponto percentual na taxa, que deve passar de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano, segundo estimativas dos economistas.

Com isso, as demais taxas de juros deverão subir na esteira desse aumento,  dificultando ainda mais a vida de quem precisa de empréstimo ou financiamento. Fonte: R7

To Top