Para evitar fila de espera no INSS veja quais documentos podem ajudar
Benefícios

Para evitar fila de espera no INSS veja quais documentos podem ajudar

Fila de espera no INSS

Para evitar fila de espera no INSS veja quais documentos podem ajudar A fila de espera do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) passou de 1,8 milhão de pedidos em julho deste ano. Também se destaca a quantidade de requerimentos que estão travados por falta de alguma documentação: 25% dos casos.

Para auxiliar quem vai solicitar um benefício, o INSS forneceu a lista com os principais documentos que devem ser apresentados.

O total de processos em tramitação em julho era de 1.823.972, segundo os dados do órgão enviados à reportagem. Considerando os números fornecidos pelo INSS ao IBDP (Instituto Nacional de Direito Previdenciário), o estoque chegou a 1.844.820. A diferença pode ocorrer por conta do dia em foi feita a coleta dos dados.

Segundo o IBDP, o resultado é 0,6% maior do que o de abril, quando havia 1.833.815 casos. Os dados não incluem os pedidos de auxílio e aposentadoria por incapacidade à espera da realização da perícia médica.

A fila, que já chegou a atingir 2,3 milhões, também aumentou na comparação com janeiro deste ano, quando havia 1,76 milhão de requerimentos.

Quase 700 mil esperavam a resposta para o pedido de BPC (Benefício de Prestação Continuada) em julho.

A presidente do IBDP, Adriane Bramante, destaca a falta de servidores. “Existe um problema crônico no INSS que é a falta de servidores, então precisa urgente abrir concurso. Enquanto isso não acontecer, nós vamos continuar vendo essa fila cada vez maior ou sem diminuição alguma, porque é uma questão operacional.”

Para ela, quando havia o atendimento presencial, os servidores faziam a triagem e já informavam que estava faltando algum documento.

O INSS informou que a fila tem um fluxo, há novos pedidos entrando: são 567.140 benefícios solicitados por mês. O órgão diz que as agências ficaram mais de seis meses fechadas e levaram um tempo para reabrir devido ao protocolo sanitário e a percentual substancial dos peritos e assistentes sociais em grupo de risco.

To Top