Black Friday 2021: tênis, perfume, fralda, roupas; Confira os produtos mais pesquisados
Benefícios

Black Friday 2021: tênis, perfume, fralda, roupas; Confira os produtos mais pesquisados

O que será diferente na Black Friday 2020 após a pandemia do coronavírus?

Black Friday 2021: tênis, perfume, fralda, roupas; Confira os produtos mais pesquisados Melhora do cenário da pandemia e mudanças de hábitos levam consumidores a buscarem outros produtos, além dos tradicionais eletrônicos.

A Black Friday acontece nesta sexta-feira (26) e muitos consumidores já estão há algumas semanas pesquisando os preços de produtos que desejam adquirir. Tênis, perfume, monitor, fraldas e roupas estão em destaque, segundo dados do Google sobre a intenção de compra dos brasileiros para a data.

Os produtos associados ao termo Black Friday que apresentaram maior crescimento de buscas no Google entre os dias 7 a 13 de novembro, em comparação com a semana anterior, foram:

  • Tênis (+175%)
  • Perfume (+135%)
  • Monitor (+103%)
  • Fraldas (+102%)
  • Roupas (+90%)
  • Livros (+89%)
  • Cadeira gamer (+88%)
  • TV Smart (+86%)
  • Smartphone (+86%)
  • Celular (+86%)

Em 2020, a Black Friday aconteceu em meio a um cenário mais crítico da pandemia do coronavírus e sob uma série de restrições de consumo, principalmente de produtos e serviços destinados a encontros sociais.

Segundo Fernanda Bromfman, head de negócios para pequenas e médias empresas do Google Brasil, as restrições influenciaram os hábitos dos brasileiros, que precisaram se adaptar a uma nova realidade provocada pelo isolamento social.

“Em 2021, as motivações por trás dos desejos misturam necessidades de renovação ou upgrade de equipamentos, com a consolidação dos laços com a casa e, ao mesmo tempo, a preparação para o retorno da vida social”, explica Fernanda.

Em 2021, é possível ver algumas mudanças no padrão das intenções dos consumidores.

“As buscas por roupas ganharam uma relevância grande no desejo desse consumidor que está retomando sua vida social. Temos acompanhado que vestidos de festa têm apresentado crescimento significativo, assim como sapatos e também roupas para academia”, afirma a executiva do Google.

Além disso, a Black Friday sempre foi uma data importante para os eletrônicos. Fernanda ressalta que tem muita gente querendo atualizar os equipamentos depois de usá-los com muita frequência durante a pandemia. Celulares, notebooks e videogames, por exemplo, têm apresentado crescimento significativo.

A relação do brasileiro com a casa também foi ressignificada durante a pandemia. “Diversas pesquisas que fizemos nesse período mostraram que as pessoas não pretendem deixar os investimentos no lar de lado. TV, geladeira e microondas, por exemplo, já apresentam aumento nas buscas”, relata Fernanda.

“Em um momento econômico mais desafiador, a perspectiva é que esta seja uma Black Friday de menor ticket médio entre os consumidores, criando uma oportunidade para as ofertas dos pequenos e médios negócios e fazendo com que categorias menos associadas à data, como alimentos e bebidas, disputem as intenções de compra”, afirma Fernanda.

Com o bolso mais apertado e a inflação em alta, os consumidores devem aproveitar os preços mais baixos e as promoções para se abastecerem com itens de supermercado. “Já estamos vendo as buscas por produtos como fraldas, ração, chocolate, bebidas alcoólicas, pneus, entre outros, ganharem relevância”, relata.

Estratégias de vendas para pequenos negócios

Uma pesquisa do Google ouviu mil pessoas para saber como as marcas podem ajudar os consumidores a escolher um produto. Ela revelou algumas estratégias de venda que podem ser adotadas por pequenas empresas durante a Black Friday:

  • Para 31% dos entrevistados, os varejistas devem oferecer descontos e preços mais baixos;
  • 20% esperam mais possibilidades de parcelamento;
  • 16% querem descontos progressivos que aumentam conforme o número de itens comprados.

Os principais fatores que chamam a atenção do consumidor na hora de escolher um varejista na Black Friday, além de preço baixo são:

  • Custo do frete (34%);
  • Qualidade dos produtos (34%);
  • Confiança na loja/site/app (28%). Fonte: G1
To Top