Ministério da Saúde deve desistir da 2ª dose da Janssen no esquema primário
Últimas Notícias

Ministério da Saúde deve desistir da 2ª dose da Janssen no esquema primário

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Ministério da Saúde deve recuar na decisão de aplicar uma segunda dose da vacina da Janssen como parte do esquema primário. A pasta deve adotar apenas a dose de reforço para quem tomou o produto contra a Covid.

A vacina da Janssen é a única aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em dose única. As vacinas da Pfizer, Coronavac e AstraZeneca precisam de duas doses para o esquema primário completo.

Segundo membros da pasta ouvidos pela reportagem, a recomendação será de que essa dose de reforço seja aplicada de dois a cinco meses depois da dose única.

Ainda será analisada a possibilidade de uma terceira dose após a aplicação das duas doses. Isso porque ainda há estudos em andamento sobre a necessidade ou não dessa aplicação extra.

Em coletiva de imprensa na terça-feira (16), o Ministério da Saúde havia anunciado, porém, que a segunda dose da Janssen deveria ser aplicada dois meses após a primeira na população adulta.

Já a dose de reforço, conforme dito na terça, deveria ser usada após cinco meses do esquema primário completo. A recomendação era que fosse feita com um imunizante diferente, preferencialmente o da Pfizer.

“No início a recomendação é que ela fosse de dose única. Hoje nós sabemos que é necessário essa proteção adicional. Esses que tomaram a vacina da Janssen vão tomar a segunda dose do mesmo imunizante. E como nós temos quantitativo não vai ser um esforço muito grande”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na ocasião.

“A sequência é: completou cinco meses da segunda dose, receberá uma dose de reforço preferencialmente com uma vacina diferente, heteróloga […] A Janssen também requer duas doses para a vacinação primária. As evidências científicas vão sendo construídas com o tempo”, continuou.

A pasta foi procurada para comentar o recuo, mas não respondeu aos questionamentos até a publicação do texto.

O anúncio da aplicação da segunda dose e da dose de reforço da vacina da Janssen para a Covid-19 feito no dia 16 pegou de surpresa gestores de saúde, a Anvisa e até o laboratório produtor da vacina de surpresa.

Dois dias depois, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) solicitou dados ao Ministério da Saúde sobre a decisão de passar a aplicar a vacina da Janssen em duas doses no esquema primário.

Na data, a agência reguladora também pediu explicações sobre a decisão de liberar a dose de reforço da vacinação contra Covid-19 a todos adultos.

Para a Anvisa, o Ministério da Saúde respondeu que o reforço da vacina da Janssen deve ser aplicado com o mesmo imunizante.

“Como vislumbrado, a estratégia para as doses de reforço é preferencialmente da plataforma RNA mensageiro ou, alternativamente, vacina de vetor viral. Assim, recomendamos o esquema homólogo para os imunizantes da Pfizer e Janssen e heterólogo para os demais, orientação já consolidada nas Notas Técnicas anteriores que trataram da dose de reforço para população acima de 60 anos e trabalhadores da saúde”, mostra ofício da pasta a que a reportagem teve acesso.

Em pedido enviado à Anvisa no último sábado (20), a Janssen solicitou a manutenção do ciclo básico de dose única e a aplicação do mesmo produto no reforço.

To Top