Qual valor do 13º salário para quem teve contrato suspenso ou jornada reduzida?
Benefícios

Qual valor do 13º salário para quem teve contrato suspenso ou jornada reduzida?

nota de dinheiro auxilio

Qual valor do 13º salário para quem teve contrato suspenso ou jornada reduzida? Trabalhadores com carteira assinada devem receber a primeira parcela do 13º salário até o próximo dia 30. Mas alguns podem sentir no contracheque o impacto do Programa de Manutenção de Emprego e Renda, criado pelo governo no ano passado enfrentar a pandemia de covid-19.

O programa seguiu vigente em parte de 2021, permitindo às empresas suspender os contratos de trabalho por até quatro meses sem demitir funcionários ou reduzir a carga horária com corte proporcional de salários de até 70%. O governo subsidiou empresas e trabalhadores com o BEm (Benefício Emergencial), a partir do pagamento de seguro-desemprego calculado sobre os três últimos salários. O governo destinou R$ 10 bilhões para custear o programa.

Caixa vai financiar compra de placas solares para residênciasComeça o Auxílio Brasil; veja quem tem direito e como pedirGasolina a R$ 2,75, carne a R$ 16: relembre preços de produtos há 10 anos

O UOL consultou advogados trabalhistas para entender como o programa pode impactar os trabalhadores na hora de receber o 13º salário.

O que foi permitido?

A redução de jornada e a suspensão temporária do contrato de trabalho foram instituídas pelo Ministério da Economia por meio de três medidas provisórias e a Nota Técnica SEI nº 51520/2020, editada pela então Secretaria Especial de Previdência e Trabalho – órgão voltou neste ano a ter status de MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

A primeira delas foi a MPs 927/2020, que acabou não aprovada no Senado em julho do ano passado. Mesmo assim, todos os acordos firmados entre empregados e empresas durante a sua tramitação no Congresso têm validade legal. “O fato de a MP ter caducado não implica em insegurança jurídica às empresas, pois os atos praticados por elas, durante a vigência da MP, permanecem assegurados”, afirma Peterson Vilela Muta, advogado do LO Baptista.

Em abril deste ano, o governo editou as MPs 1045/21 e 1046/21. Elas flexibilizaram as regras trabalhistas, permitindo a regulamentação do home office, a suspensão do adicional de 1/3 nas férias e a compensação do banco de horas em até 18 meses (a regra geral era de 6 meses), entre outras medidas excepcionais.

Na avaliação da advogada Eliane Ribeiro Gago, sócia do escritório Duarte Garcia, Serra Netto e Terra, o governo demorou muito para evitar o derretimento do mercado de trabalho. “No começo todo mundo tinha dúvida e havia muita polêmica, mas no final (a regulamentação) foi essencial”, observa.

Segundo dados do MTE, cerca de 9,85 milhões de trabalhadores participaram do programa em 2020 e aproximadamente 2,6 milhões, em 2021. Foram firmados quase 23,4 milhões de acordos com base nas medidas.

Francisco Gomes Júnior, sócio da OGF Advogados, avalia as medidas como necessárias para amenizar o freio da economia imposto pela pandemia, mas indica a redução de salários como “ponto negativo” por reduzir o poder de compra dos empregados. “Avalio o programa como necessário no período excepcional pelo qual o país passou”, pondera.

Quem perde?

A advogada Eliane diz que empregos cujos contratos de trabalho foram suspensos podem ter o 13º reduzido.

Segundo ela, a nota técnica do MTE permite calcular o 13º excluindo o período não trabalhado. “Na suspensão do contrato esse tempo de serviço não conta. Ou seja, a empresa não é obrigada a pagar o 13° correspondente a 1/12 (um doze avos) do período que o empregado esteve afastado”, afirma.

A redução pode impactar cerca de 1,4 milhão de trabalhadores em todo país. Este foi o contingente com contratos suspensos neste ano, conforme os dados do MTE.

Quem não perde?

O trabalhador que manteve o contrato de trabalho sem suspensão terá direito ao 13º salário integral. A medida vale mesmo para quem experimentou uma redução de salário proporcional à diminuição de horas trabalhadas.

“Para os empregados que tiveram redução da jornada de trabalho, o pagamento deve ser feito de forma integral, já que não houve paralisação das atividades”, diz Muta. Fonte: Economia Uol

To Top