Câmara aprova MP do Auxílio Brasil, que segue ao Senado
Brasil

Câmara aprova MP do Auxílio Brasil, que segue ao Senado

Câmara aprova MP do Auxílio Brasil, que segue ao Senado

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira a MP que cria o Auxílio Brasil, programa social criado pelo governo em substituição ao Bolsa Família, que segue ao Senado.

A MP, que teve seu texto-base aprovado pela unanimidade dos 344 votantes, precisa ter sua tramitação no Congresso concluída até o dia 7 de dezembro ou perde a validade.

De autoria do deputado Marcelo Aro (PP-MG), o parecer aprovado nesta quinta modifica o texto original do governo e amplia a faixa de pessoas enquadradas na situação de extrema pobreza, além de eliminar a fila para o recebimento do auxílio.

O relatório de Aro determina que os benefícios “constituem um direito das famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza a eles elegíveis, sendo-lhes assegurado o acesso imediato às transferências de renda tão logo se verifique que preenchem os requisitos para tanto”.

Aro pretendia determinar a correção anual do benefício pela inflação, tomando como referência o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mas o tema não consta no texto aprovado nesta tarde, após forte pressão do governo para que fosse retirado.

A ausência da correção não passou despercebida. Parlamentares se manifestaram em plenário, como o líder da Minoria, Marcelo Freixo (PSB-RJ).

“Nós lutamos aqui para que o caráter da indexação fosse mantido no texto e era desejo do relator. Foi a base do governo Bolsonaro e foi o presidente Bolsonaro que fizeram sair do texto a indexação”, disse o líder.

“Como, senhoras e senhores, como não indexar? Como não atualizar esse salário…? …Retirar isso é ser insensível e desumano diante da fome.”

A MP cria ainda o programa Alimenta Brasil, em substituição ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), mas mantém as finalidades do programa antigo de fomentar a produção, o processamento, a industrialização, o consumo e a valorização dos produtos da agricultura familiar.

Paralelamente à MP, tramita no Senado a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que além de modificar as regras de pagamento determinado pela Justiça de dívidas do governo, altera o prazo de correção do teto de gastos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A PEC deve criar, nos cálculos do governo, mais de 100 bilhões de reais de espaço fiscal para o pagamento do Auxílio Brasil, entre outros pontos.

(Reportagem de Maria Carolina MarcelloEdição de Eduardo Simões e Maria Pia Palermo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHAO0RC-BASEIMAGE

To Top