Expectativa de vida no Brasil subiria para 76,8 anos sem impacto da Covid
Últimas Notícias

Expectativa de vida no Brasil subiria para 76,8 anos sem impacto da Covid

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Sem a mortalidade provocada pela pandemia de Covid-19, a expectativa de vida no Brasil subiria para 76,8 anos em 2020, informou nesta quinta-feira (25) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A marca representaria um aumento de 2 meses e 26 dias em relação a 2019. À época, a estimativa havia sido de 76,6 anos.

Os novos dados integram as Tábuas Completas de Mortalidade para o Brasil 2020.

Segundo o levantamento, a esperança de vida seria maior para as mulheres: 80,3 anos. Entre a população masculina, a estimativa alcançaria 73,3 anos em 2020.

“Se o Brasil não tivesse vivenciado uma crise de mortalidade em 2020, a expectativa de vida ao nascer seria de 76,8 anos para o total da população, com um acréscimo de 2 meses e 26 dias em relação ao valor estimado para o ano de 2019 (76,6 anos)”, disse o IBGE.

“Para a população masculina, a esperança de vida ao nascer seria de 73,3 anos, e, para as mulheres, de 80,3 anos, em 2020”, acrescentou.

O instituto disse que as tábuas são calculadas a partir de projeções populacionais. Essas estimativas são baseadas nos dados do Censo Demográfico, que costuma ser realizado de dez em dez anos.

A edição mais recente do Censo ocorreu em 2010. O problema é que a pesquisa de 2020 foi adiada em razão das restrições provocadas pela pandemia.

Em 2021, o Censo foi cancelado devido ao corte de recursos que seriam destinados para o trabalho.

Após os dois atrasos, a nova edição da pesquisa ficou prevista para 2022. O IBGE espera a realização do levantamento para conseguir calcular os dados sobre expectativa de vida em 2020 de maneira mais precisa.

“Após a divulgação dos resultados de cada Censo Demográfico, o IBGE elabora novas tábuas de mortalidade projetadas. As últimas tábuas foram construídas e projetadas a partir dos dados de 2010, ano de realização da última operação censitária no Brasil”, diz o órgão.

“Da mesma forma, um novo conjunto de tábuas de mortalidade será elaborado após a publicação dos resultados do Censo 2022, quando o IBGE terá uma estimativa mais precisa da população exposta ao risco de falecer e dos óbitos observados na última década”, completou.

Desde o ano passado, o novo coronavírus já provocou 613.339 mil mortes no Brasil.

Conforme outro estudo do IBGE, o total de mortes no país cresceu 14,9% em 2020, primeiro ano da pandemia, na comparação com 2019. De 1,5 milhão de pessoas que perderam a vida, ao menos 12,9% delas foram vitimadas pelo novo coronavírus, considerando os 194.976 óbitos pela doença contabilizados pelo consórcio de veículos de imprensa, de março a 31 de dezembro.

To Top