No INSS, mais de 400 mil segurados podem perder os pagamentos
Benefícios

No INSS, mais de 400 mil segurados podem perder os pagamentos

INSS pode aumentar aposentadoria de trabalhador

No INSS, mais de 400 mil segurados podem perder os pagamentos Com o veto do presidente Jair Bolsonaro à suspensão da prova de vida do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) até dezembro, 402,2 mil segurados no Estado do Rio têm que correr contra o relógio e fazer a atualização cadastral obrigatória nos bancos para não terem suas aposentadorias ou pensões suspensas. Os prazos referentes ao recadastramento anual não realizado em 2020 acabam em outubro.

De acordo com o INSS, dos três milhões de segurados que têm que fazer a prova de vida no Estado do Rio, 2,16 milhões já a fizeram em 2021; 447,8 mil estão com a atualização cadastral ainda válida e 402,2 mil estão com o procedimento pendente, segundo dados de 14 de setembro.

Em todo o país, segundo o INSS, 4,9 milhões de pessoas ainda precisam realizar o procedimento.

Procedimento referente a 2021

Os prazos de recadastramento em 2021 vão até agosto de 2022 e variam conforme o mês em que a prova de vida venceu ou vai vencer. Por exemplo, aposentados com a prova de vida vencida em setembro ou outubro de 2020 devem realizar o procedimento até o dia 30 de setembro deste ano. Em outubro, será o último mês para quem teria que fazer a comprovação em novembro e dezembro de 2020.​

O segurado que perder a data da comprovação de vida pode ter o benefício bloqueado, suspenso ou cessado. No entanto, segundo informações do INSS, caso haja bloqueio do benefício por falta de prova de vida, o segurado deverá solicitar sua reativação do benefício, de forma remota, por meio do Meu INSS (site ou aplicativo).

O segurado pode informar seus documentos pessoais, como número de identidade, CPF e comprovante de residência, no próprio requerimento inicial. De acordo com o INSS, além do requerimento de reativação, o segurado deverá se dirigir ao banco para o recadastramento.

Pessoas com mais de 80 anos e dificuldade de locomoção

Maiores de 80 anos e pessoas a partir de 60 que tenham dificuldade de locomoção podem fazer a prova de vida em domicílio. O beneficiário ou um parente pode agendar, pelo telefone 135 ou pelo Meu INSS, uma visita de um funcionário do órgão.

Os segurados com biometria cadastrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no Detran podem fazer o procedimento pelo Meu INSS.

Em todo o país

Em julho, havia 7.308.698 aposentados, pensionistas e outros beneficiários com a atualização cadastral pendente. Em apenas um mês, 2,3 milhões fizeram a prova de vida.

Desde o ano passado, 31.259.263 beneficiários se recadastraram no país. Do total, 24.690.973 foram em 2021 e outros 6.568.290 realizaram o procedimento em 2020.

Procedimento nos bancos

Algumas instituições financeiras fazem a prova de vida por meio de biometria digital, com o reconhecimento da impressão digital do segurado pela máquina de autoatendimento. Outros exigem a apresentação de um documento com foto (carteira de identidade, carteira de trabalho ou carteira de habilitação) a um funcionário para que a atualização de dados seja concluída.

Em geral, os bancos informam aos beneficiários sobre a necessidade de recadastramento por meio de mensagens informativas apresentadas nos meios eletrônicos de relacionamento com os clientes.

A data para o recadastramento anual varia de banco para banco. Na Caixa Econômica e no Itaú Unibanco, por exemplo, o vencimento da prova de vida ocorre até um ano do último recadastramento realizado.

Já no Banco do Brasil, é feita no mês de aniversário do beneficiário. O Bradesco, por sua vez, leva em conta o mês em que o cliente recebeu o primeiro pagamento do benefício.

E no Santander, o vencimento da prova de vida ocorre anualmente com base na data da concessão da aposentadoria do INSS. Fonte: Extra Globo

To Top