Petrobras revisa política de dividendos após atingir meta de dívida bruta
Brasil

Petrobras revisa política de dividendos após atingir meta de dívida bruta

Petrobras revisa política de dividendos após atingir meta de dívida bruta

A Petrobras anunciou na noite de quarta-feira uma revisão em sua política de remuneração aos acionistas, estabelecendo um nível mais flexível de endividamento para o cálculo dos pagamentos, que deverão ocorrer trimestralmente.

A companhia disse em fato relevante que a medida vem após a antecipação do alcance de sua meta de endividamento bruto de menos de 60 bilhões de dólares –originalmente previsto para 2022, o objetivo foi atingido no terceiro trimestre deste ano.

A estatal afirmou que terá uma “flexibilidade em torno desse endividamento alvo”, passando a adotar uma dívida bruta de 65 bilhões de dólares como parâmetro para o cálculo da remuneração a ser distribuída.

Segundo a petroleira, também foi estabelecida uma remuneração anual mínima de 4 bilhões de dólares para exercícios em que o preço médio do petróleo Brent supere os 40 dólares por barril, independente do nível de endividamento da empresa.

“Em caso de dívida bruta igual ou inferior a 65 bilhões de dólares e de resultado positivo acumulado…, a companhia deverá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos”, acrescentou a Petrobras.

A empresa também poderá pagar dividendos extraordinários que superem o mínimo legal obrigatório em “casos excepcionais”, bem como distribuir dividendos extraordinários mesmo na hipótese de não verificação de lucro líquido.

A Petrobras havia anunciado na quarta-feira que prevê investir 68 bilhões de dólares entre 2022 e 2026, aumento expressivo em relação ao plano de negócios plurianual anterior, à medida que reforça aportes para ampliar a produção de petróleo no pré-sal.

(Por Gabriel Araujo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHAO0C6-BASEIMAGE

To Top