Câmara Municipal de SP aprova reajuste de IPTU pela inflação até 2024
Últimas Notícias

Câmara Municipal de SP aprova reajuste de IPTU pela inflação até 2024

portalmixvalegoogle

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta sexta-feira (25), em segundo turno, o projeto de reajuste da base de cálculo do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) enviado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB).

A nova regra prevê reajuste pela inflação até 2024. No entanto, a oposição argumenta que a lei é regressiva e prejudica mais a população da periferia.

O projeto foi aprovado com 34 votos a favor e 20 contrários.

A cada quatro anos, os prefeitos devem corrigir a PGV (Planta Genérica de Valores), atualizando valores venais dos imóveis na cidade, conforme a valorização ou desvalorização de cada um deles. Esses valores servem de base para o pagamento do imposto.

Segundo os aliados de Nunes, haverá um teto de 10% de aumento até 2024. Mesmo se o IPCA ultrapassar esse percentual, o imposto não subirá mais que isso.

“Por três anos não haverá aumento de IPTU além do índice inflacionário. Respeitando 10%. Vamos imaginar que haja descontrole inflacionário, IPCA no máximo 10%. Vai valer para imóveis comerciais e residenciais”, disse o vice-líder do governo, vereador João Jorge (PSDB).

A administração afirma que haverá também aumento do limite para a isenção, que passará de R$ 160 mil para R$ 230 mil para o valor venal. Além disso, o valor máximo para o desconto passará de R$ 320 mil para R$ 345 mil.

Um ponto bastante criticado é a mudança na regra que dá isenção aos aposentados. Hoje, para ter isenção, eles não poderiam ter nenhum imóvel na cidade. Com a nova lei, ele não poderá ter qualquer outro imóvel em qualquer município do país.

Fernando Holiday (Novo) chamou de crueldade o reajuste na atual situação econômica. “Podemos falar de reajuste, atualização, mas fato é que as pessoas terão que tirar mais dinheiro do bolso para entregar à prefeitura. E quando estamos fazendo isso? Após a maior pandemia e crise sanitária da história do Brasil, onde as pessoas foram impedidas de trabalhar, de manter os seus negócios”, disse.

Nota técnica feita pelas lideranças do PT e PSOL afirma que o reajuste será regressivo.

“O primeiro em relação à localização, na maior parte dos tipos e padrões de imóveis o reajuste é maior na periferia do que no centro e centro expandido. O segundo aspecto é em relação ao tamanho do imóvel, os maiores imóveis registram as menores variações, e em alguns casos, há inclusive redução dos valores unitários”, diz a nota.

De acordo com os partidos, haverá crescimento de arrecadação do IPTU de 33% no centro, 36% no centro expandido e nas duas zonas que representam as regiões periféricas aumentos de 70% e 78%.

A oposição afirma que as travas não alteram o passivo que os mais pobres acabarão pagando no final. “As atuais travas de 10% não alteram a questão estrutural ao final, quando todas alterações estiverem implemenetadas o aumento será maior aos mais pobres”, disse Eduardo Suplicy (PT).

Para Erika Hilton, do PSOL, a cidade perde uma oportunidade de uma mudança para corrigir desigualdades na cidade. “As mudanças aceitas pela prefeitura e incorporadas ao projeto não retiram o caráter regressivo da política tributária municipal”, afirmou a vereadora Erika Hilton (PSOL).

Segundo ela, isenções aprovadas também foram casuísticas.

Entre as mudanças entre a primeira e segunda votação, está a inclusão de anistia para escolas de samba, um setor que faz parte da base eleitoral do presidente da Câmara, Milton Leite (DEM).

Silvia da Bancada Feminista, também do PSOL, acusou o governo de beneficiar a máfia das creches, revelada pela Folha, em outra dessas mudanças. “Vocês sabiam que hoje uma creche conveniada, se ela tiver um imóvel próprio, a prefeitura não paga o aluguel? Mas agora com esse projeto a prefeitura vai pagar o aluguel dessa empresa privada, é dinheiro público saindo dos cofres da prefeitura para beneficiar a máfia das creches”.

Cosip e ISS O projeto faz parte de um amplo pacote fiscal, com isenções de ISS para setores considerados como geradores de emprego.

Além disso, ele altera a cobrança da taxa de luz, a Cosip, com taxa progressiva. Os valores vão de R$ 1 a R$ 570 para residências, dependendo do grau de consumo.

Atualmente, o valor pago por todos os consumidores com a Cosip (Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública) é de R$ 9,66. As atividades comerciais também serão afetadas.

A cobrança atual para o comércio é de R$ 30,47. Com a mudança, a taxa de luz para estes consumidores vai variar de R$ 2 a R$ 1.139.

A proposta estabelece a redução do ISS (Imposto Sobre Serviços) para franquias, intermediação de serviços de entrega e transporte de passageiros por plataformas digitais, intermediação de aluguéis e administração de imóveis por plataformas digitais e audiovisual, com estímulo à vocação de São Paulo na indústria cultural e economia criativa.

Além disso, segundo a gestão, a medida visa retenção e atração de novas empresas.

O projeto também traz uma mudança relativa à cobrança de ISS para sociedades uniprofissionais, como as de advogados, arquitetos e de contabilidade. Segundo o projeto, a base de cálculo permanece a mesma para até cinco sócios.

“A partir de seis participantes, o estabelecimento da base de cálculo se daria de forma incremental, de maneira que a base de cálculo dos primeiros sócios corresponda à primeira faixa, e dos demais às faixas seguintes”, diz o projeto.

To Top