BTG reduz ocupação de escritórios a 10% com ômicron e gripe
Últimas Notícias

BTG reduz ocupação de escritórios a 10% com ômicron e gripe

portalmixvalegoogle

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Grandes bancos deram um passo atrás na retomada do trabalho presencial e estão reavaliando o retorno dos funcionários aos escritórios diante do avanço da ômicron e da gripe no país.

Antes da virada do ano, o BTG Pactual decidiu reduzir para 10% a ocupação em todos os seus escritórios no Brasil e no exterior. O restante da equipe segue em home office. Antes, a ocupação ficava abaixo de 50%, segundo a empresa.

O banco, que tem cerca de 4.000 funcionários no Brasil, afirma que tem feito dois testes por semana e solicita comprovante de vacinação aos que estão trabalhando presencialmente.

Com o pico de infecções no início do ano, o Itaú também voltou a orientar que os funcionários priorizem o home office. Em setembro, o banco havia iniciado um projeto-piloto para retomar gradualmente o retorno aos escritórios administrativos em modelos híbrido com escala, híbrido flexível ou presencial.

O Bradesco decidiu manter o ritmo com volta gradativa. Segundo a empresa, neste momento, 60% do quadro de funcionários das áreas administrativas estão trabalhando nos escritórios de forma alternada —30% em cada semana.

Procurado pela reportagem, o Santander não comenta. No início da pandemia, em 2020, o presidente Sérgio Rial manifestou ceticismo sobre a prática.

Em uma apresentação aos funcionários, falou em deserção ao se referir a quem quis trocar o trabalho presencial no banco pelo home office, naquele momento em que as mortes pelo coronavírus começavam a crescer no Brasil.

Depois, sugeriu uma abdicação voluntária de benefícios ou parte do salário por funcionários que optassem pelo trabalho remoto, uma vez que gastariam menos tempo e dinheiro para ir até a empresa.

To Top