Deputado do PT pede para PGR investigar Bia Kicis pela divulgação de dados de médicos
Últimas Notícias

Deputado do PT pede para PGR investigar Bia Kicis pela divulgação de dados de médicos

portalmixvalegoogle

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) entrou com uma representação na PGR (Procuradoria-Geral da República) nesta sexta-feira (7) em que pede a abertura de inquérito contra a deputada Bia Kicis (PSL-SP) pela divulgação de dados de médicos a favor da vacinação infantil.

Documentos com informações pessoais de três médicos que defendem a imunização de crianças estavam em poder do Ministério da Saúde e foram vazados em grupos de WhatsApp. A informação foi revelada pelo jornal O Globo.

Os médicos participaram de uma audiência pública da pasta na terça (4) e apresentaram argumentos a favor da imunização de crianças entre 5 e 11 anos.

A parlamentar bolsonarista Bia Kicis, que é contra a vacinação obrigatória de crianças, estava presente na audiência. Ela admitiu ao jornal O Globo que compartilhou as declarações em um grupo de WhatsApp, mas nega que seja a responsável pelo vazamento.

Padilha também protocolou um segundo pedido para a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) em que inclui o ministro Marcelo Queiroga. Ele pede que o órgão para “dimensionar a responsabilidade” do médico cardiologista e da deputada no vazamento das informações, e para “apontar mudanças na proteção dos dados” por parte da pasta.

“É inadmissível que alguém que alguém que preside a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados [Bia Kicis] permita que dados de profissionais respeitados pudessem ser espalhados para que [os médicos] fossem pressionados pela horda negacionista antivacina”, afirma Padilha à reportagem.

Segundo o petista, a audiência “foi uma verdadeira farsa para montar palanque para o negacionismo”.

Os profissionais que tiveram suas informações vazadas são Isabella Ballalai, vice-presidente da SBI (Sociedade Brasileira de Imunizações), Renato Kfouri, diretor da mesma entidade, e Marco Aurélio Sáfadi, da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

A deputada Bia Kicis e o ministério da Saúde não responderam aos pedidos de comentário enviados pela reportagem.

To Top