Exportações de algodão da Índia começam a cair diante de safra menor
Agro

Exportações de algodão da Índia começam a cair diante de safra menor

Exportações de algodão da Índia começam a cair diante de safra menor

Por Rajendra Jadhav

MUMBAI (Reuters) – As exportações de algodão indiano começaram a cair à medida que os prêmios sobre os futuros de referência nos EUA aumentaram com as expectativas de produção mais baixa, em um momento em que há forte demanda das fábricas têxteis locais, disseram autoridades da indústria.

Os prêmios mais altos buscados pela Índia, maior produtor mundial de algodão, podem forçar compradores asiáticos como Bangladesh, Vietnã e China a aumentar as compras de outros fornecedores, como Estados Unidos, Brasil, Austrália e países africanos.

“As exportações são inviáveis. Estamos vendendo uma pequena quantidade para Bangladesh, mas outros compradores não estão comprando”, disse Vinay Kotak, diretor da Kotak Ginning and Pressing Industries à Reuters.

O algodão indiano está sendo oferecido a cerca de 135 centavos de dólar por libra-peso, com base no custo e frete, para compradores em Bangladesh para embarque em janeiro e fevereiro, quase 20 centavos a mais que os futuros nos EUA, disseram negociantes de firmas comerciais globais.

Normalmente, a Índia cobra um prêmio de 5 a 10 centavos de dólar por libra-peso sobre os futuros nos EUA.

Os preços domésticos recordes podem sufocar as exportações na campanha de comercialização de 2021/22 que termina em 30 de setembro, disse Kotak.

Ele previu que a Índia enviará apenas 4 milhões de fardos, em comparação com 7,8 milhões de fardos um ano atrás, conforme os compradores mudam para fornecedores rivais.

As usinas indianas exportaram 1,8 milhão de fardos até agora na temporada e devem embarcar cerca de 1 milhão de fardos em janeiro e fevereiro, disseram os comerciantes.

Alguns compradores de Bangladesh estão pagando preços mais altos pelo algodão indiano, pois precisam de embarques imediatos e querem garantia de entrega, disse um comerciante de Mumbai de uma empresa comercial global.

Quase metade das exportações de algodão da Índia para Bangladesh são feitas por meio de uma fronteira terrestre, tornando os embarques mais firmes ​​do que os de fornecedores rivais.

Bangladesh também compra algodão dos Estados Unidos, mas a safra de algodão dos EUA só estará disponível depois de março e não há garantia de que os embarques chegarão a tempo, pois a escassez de mão de obra causada pela última onda da pandemia de Covid-19 pode agravar o congestionamento nos portos, disse o negociante.

CULTURA DANIFICADA PELA CHUVA

A produção de algodão da Índia pode atingir 34 milhões de fardos no ano comercial de 2021/22, queda de quase 4% em relação ao ano anterior, já que as safras nos principais estados produtores foram prejudicadas pelas chuvas durante a temporada de colheita, disse Kotak.

“Os agricultores sabem que o tamanho da safra está baixo. Eles estão liberando os estoques aos poucos, prevendo uma nova alta nos preços”, disse o comerciante.

As fiações indianas estão comprando algodão de forma agressiva, visto que a demanda de exportação está forte, disse um fabricante de fios com sede em Ahmedabad, no estado de Gujarat.

“As usinas estão construindo estoques. O consumo local pode chegar a mais de 35 milhões de fardos este ano. Podemos precisar importar algodão de boa qualidade”, disse ele.

As fábricas de tecidos desejam importar algodão, mas as compras no exterior são prejudicadas por um imposto de importação de 10% que Nova Délhi impôs no ano passado, disse Kotak.

A Índia importou 1 milhão de fardos em 2020/21 e na atual temporada os comerciantes contrataram a importação de 700.000 fardos, disse o negociante de Nova Délhi.

O país precisa importar 2,5 milhões de fardos este ano para conter novos ganhos nos preços locais, disse o comerciante.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI060JS-BASEIMAGE

To Top