Fies: MP estabelece regras para renegociação
Benefícios

Fies: MP estabelece regras para renegociação

Já está disponível o Edital do FIES para o 1º semestre de 2021

Fies: MP estabelece regras para renegociação Tem muita gente que pegou dinheiro pra pagar os estudos e não conseguiu quitar as parcelas mensais. Resultado: mais de 1 milhão de estudantes estão na lista de inadimplentes. Para facilitar o pagamento dos atrasados, o governo editou no dia 31 de dezembro de 2021, uma medida provisória que estabelece regras para renegociação do Fies, o Fundo de Financiamento Estudantil.

As novas regras valem para 2,6 milhões de contratos ativos do Fies, abertos até 2017, com saldo devedor de R$ 82,6 bilhões. Desse total, 48,8%, 1,07 milhão de estudantes, estão inadimplentes há mais de 360 dias.

Com isso, poderão renegociar os débitos, estudantes que formalizaram a contratação do Fies até o segundo semestre de 2017. Quem está inscrito no Cadastro Único dos Programas Sociais do governo ou que recebeu auxílio emergencial tem condições diferenciadas

A adesão à renegociação pode ter desconto de até 92% no valor devido, desconto integral nos encargos moratórios e parcelamento que chega a 150 meses, ou seja, 12 anos e meio.

Na tradicional live das quintas-feiras, o presidente Jair Bolsonaro falou da renegociação.

A renegociação de dívidas deverá ser realizada por meio dos canais de atendimento que serão disponibilizados pelos agentes financeiros do programa. Apesar de estar em vigor desde a semana passada, a medida provisória ainda precisará ser aprovada em definitivo pelo Congresso Nacional em até 120 dias após o fim do recesso legislativo, que termina em fevereiro.

Você será direcionado(a) para o sistema Fala.BR, mas é com a EBC que estará dialogando. O Fala.BR é uma plataforma de comunicação da sociedade com a administração pública, por meio das Ouvidorias.

Sua opinião ajuda a EBC a melhorar os serviços e conteúdos ofertados ao cidadão. Por isso, não se esqueça de incluir na sua mensagem o link do conteúdo alvo de sua manifestação. Fonte: Agência Brasil

To Top