Reino Unido convoca militares para lidar com falta de pessoal hospitalar pela Covid
Europe

Reino Unido convoca militares para lidar com falta de pessoal hospitalar pela Covid

Reino Unido convoca militares para lidar com falta de pessoal hospitalar pela Covid

Por Alistair Smout

LONDRES (Reuters) – O Ministério da Defesa do Reino Unido disse nesta sexta-feira que começou o destacamento de militares para apoiar hospitais que sofrem uma escassez de pessoal e pressões extremas devido a casos recordes da Covid-19 no país.

O governo disse que 200 militares das Forças Armadas foram disponibilizados para apoiar o Serviço Nacional de Saúde (NHS) em Londres durante as próximas três semanas.

O Reino Unido vive um surto de casos de coronavírus devido à variante Ômicron, e relatou mais de 150.000 novos casos a cada dia durante a última semana.

O primeiro-ministro Boris Johnson disse que a Inglaterra pode suportar o surto sem novas restrições graças à vacinação e à menor gravidade da variante, mas alertou para algumas semanas desafiadoras.

O governo também destacou as Forças Armadas para auxiliar nos testes e programas de vacinação da Covid-19.

“Mais uma vez eles estão se intensificando para ajudar os trabalhadores do NHS que estão trabalhando 24 horas por dia em toda a capital, ajudando o serviço de saúde neste difícil período de inverno, onde a necessidade é maior”, disse o ministro da Saúde, Sajid Javid.

O Reino Unido relatou quase 150.000 mortes pela Covid-19 e, dois anos após a pandemia, seu serviço de saúde estatal já enfrentava uma crise moral e de pessoal mesmo antes do recente surto da Ômicron, segundo um relatório parlamentar publicado na quinta-feira.

Chaand Nagpaul, presidente do Conselho da Associação Médica Britânica, disse que há níveis sem precedentes de ausência de pessoal do NHS.

“Embora o governo tenha recorrido à ajuda do Exército em Londres, não esqueçamos que temos um problema nacional no momento”, disse Nagpaul à Sky News. “Este é um problema nacional e nós nunca vimos este nível de ausência de pessoal antes”.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI060F3-BASEIMAGE

To Top