Investigação da FIA sobre corrida decisiva da F1 deve ser finalizada antes de março
Asia

Investigação da FIA sobre corrida decisiva da F1 deve ser finalizada antes de março

Investigação da FIA sobre corrida decisiva da F1 deve ser finalizada antes de março

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) – Uma investigação do órgão regulador da Fórmula 1 sobre a corrida de Abu Dhabi que encerrou a temporada passada está ganhando velocidade, em meio a especulações de que o resultado determinará se o heptacampeão mundial Lewis Hamilton continua ou não na categoria.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) prometeu em dezembro “um exercício detalhado de análise e esclarecimento” de uma polêmica que reconheceu estar manchando a imagem do campeonato.

A entidade disse que discutirá o que aconteceu com todas as equipes e pilotos e chegará a uma conclusão antes do início da próxima temporada, em março.

Um porta-voz da FIA afirmou nesta quarta-feira que a investigação está sendo liderada por Peter Bayer, secretário-geral de automobilismo da FIA, e será “completa, objetiva e transparente”.

O processo começou após a última reunião do Conselho Mundial de Automobilismo, em 15 de dezembro, dois dias antes de Mohammed Ben Sulayem, dos Emirados Árabes, ser eleito presidente da FIA.

O diretor de prova da Fórmula 1, Michael Masi, autoridade da FIA no centro da polêmica, provocou alvoroço depois que uma mudança tardia no procedimento do safety car deu vantagem a Max Verstappen, da Red Bull.

Verstappen conseguiu ultrapassar Hamilton na última volta para vencer a corrida e conquistar seu primeiro título, negando ao piloto da Mercedes um oitavo troféu recorde.

A Mercedes, que sentiu que Hamilton foi roubado, desistiu da ameaça de apelar depois que a investigação da FIA foi anunciada, mas alertou que responsabilizaria a entidade e precisava ver ações além de palavras.

Alguns veem a posição de Masi como insustentável, mas também não há um substituto claro para o australiano.

Hamilton tem contrato até o final de 2023, mas tem havido muita especulação na mídia de que ele poderia rescindi-lo se a FIA não apresentar uma resposta adequada.

O britânico, que completou 37 anos este mês, se afastou das redes sociais e evitou fazer qualquer comentário público desde a corrida de 12 de dezembro.

Ele disse pelo rádio da equipe durante a corrida que “isso foi manipulado”.

A próxima reunião do Conselho Mundial de Automobilismo deve ser realizada em Paris em 3 de fevereiro, mas qualquer relatório deve primeiro ir para a comissão de Fórmula 1 e comitê consultivo esportivo para consideração.

Os testes começam na Espanha em 23 de fevereiro com a corrida de abertura no Barein em 20 de março.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0B11Y-BASEIMAGE

To Top