Europe

Milhares de refugiados fogem da Ucrânia pelo centro da Europa

Por Anita Komuves e Andrew R.C. Marshall

BEREGSURANY, Hungria/SUDOVA VYSHNYA, Ucrânia (Reuters) – Milhares de pessoas fugindo da guerra na Ucrânia cruzaram para a Europa central neste domingo, com filas nas fronteiras que se estendem por quilômetros no quarto dia de uma invasão russa que levou quase 400 mil pessoas a buscarem segurança no exterior.

Com os homens em idade de alistamento militar impedidos de deixar a Ucrânia, principalmente mulheres e crianças chegavam à fronteira no leste da Polônia, Eslováquia e Hungria e no norte e nordeste da Romênia. Algumas puxavam malas, enquanto outras tinham apenas pequenas mochilas.

Em Beregsurany, na Hungria, Valeria, uma húngara de 44 anos da Ucrânia, estava preocupada por deixar seu irmão e sua mãe idosa para trás em sua cidade natal de Berehove, a 8 quilômetros da fronteira com a União Europeia.

“Não iríamos se não fosse necessário. Se o destino não estivesse nos forçando, não iríamos embora”, disse seu marido Laszlo. O casal se recusou a dar seus nomes completos.

O êxodo exigirá que a UE se prepare para milhões de refugiados ucranianos que chegam ao bloco, disse a comissária de Assuntos Internos da UE, Ylva Johansson.

A Alemanha alertou contra a criação de obstáculos burocráticos para os refugiados, enquanto a França disse que os países da UE considerarão “nas próximas horas e dias” se precisarem implementar um programa de reassentamento para ucranianos que fogem do conflito.

A agência de refugiados da ONU, citando dados fornecidos por autoridades nacionais, disse no domingo que cerca de 368.000 pessoas fugiram do conflito para o exterior.

Pouco menos da metade foi para a Polônia. Na travessia de Medyka, na Polônia, onde 40 mil pessoas cruzaram a partir da Ucrânia desde quinta-feira, cerca de cem mulheres, crianças e adolescentes esperavam na fila para serem processados ​​pelos guardas de fronteira poloneses.

“A minha mensagem será muito curta: pode acontecer com vocês, em todas as casas da Europa”, disse Sofiia Kochmar-Tymoshenko depois de cruzar para a Polônia. “Porque ninguém sabe o que Putin quer e onde ele vai terminar.”

Do lado ucraniano, uma fila de carros e ônibus se estendia por cerca de 35 quilômetros até a cidade de Sudova Vyshnya.

Cozinhas improvisadas serviam refeições quentes ao longo da estrada e voluntários distribuíam lanches em um posto de gasolina. A polícia ucraniana assistiu enquanto as pessoas caminhavam com cães na coleira e os pais carregavam crianças nas costas, todos envoltos em roupas de inverno.

Pilhas de roupas cobriam a estrada esburacada que corta campos e florestas em direção a Lviv, enquanto as pessoas procuravam aliviar o peso que carregavam.

Uma vez na Polônia, refugiados recém-chegados vasculharam caixas de doces e artigos de higiene doados e coletaram frutas em barracas improvisadas. Um punhado de carros e vans voltou para a Ucrânia cheio de mantimentos.

Kristina, uma ucraniana de 27 anos que disse ter deixado Lviv no domingo, sentou-se em frente a uma mercearia em Medyka com seu cachorro.

“Nós o chamamos de Cão, apenas Cão. Agora é um Cão de Guerra”, disse ela enquanto esperava que uma carona de um grupo de conhecidos para longe da fronteira.

Em toda a Europa central, as autoridades montaram centros de recepção improvisados ​​em tendas onde as pessoas podem obter ajuda médica e processar documentos de asilo, enquanto milhares de voluntários se dirigiam às fronteiras com doações de alimentos, cobertores e roupas, oferecendo serviços de transporte e abrigo.

A operadora ferroviária alemã Deutsche Bahn disse no domingo que oferecerá viagens gratuitas da Polônia à Alemanha para refugiados da Ucrânia.

Enquanto isso, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse estar recebendo ligações de pessoas que ainda estão na Ucrânia pedindo comida, dinheiro, itens de higiene e cobertores.

“Também estamos recebendo um número crescente de ligações de pessoas de outros países, buscando informações urgentes sobre suas famílias e amigos”, disse o CICV no Twitter.

Falando a repórteres na fronteira eslovaca de Ubla, a presidente, Zuzana Caputova, renovou os pedidos de alguns na UE para que a Ucrânia seja admitida como membro.

“O que a Ucrânia está combatendo agora não é apenas a ameaça sobre sua integridade territorial, mas a ameaça sobre nossos valores democráticos europeus”, disse ela.

(Reportagem adicional de Pawel Florkiewicz, em Medyka; Luiza Ilie ,em Bucareste; Krisztina Than, em Budapeste; Jan Lopatka e Robert Muller, em Prague; e Riham Alkousaa, em Berlim)

To Top